Faço minhas, as palavras da Terapeuta Sonia Rocha  (negritos e grifos são meus). Lena Rodriguez
_____________

"Este é um assunto delicado porque envolve, além do tema proposto, a proliferação da oferta de florais prontos, atualmente vendidos em farmácias, drogarias e até em pet shops, e o fato de ser escrito por uma terapeuta floral. Pode dar a impressão de estar “puxando a brasa .....”

Posso dizer que escrevi movida por preocupação, por respeito, enfim, por interesses vários...mas prefiro deixar que vocês, leitores, tirem suas próprias conclusões após a leitura do texto.

Vocês têm aqui, muitas informações que podem colaborar para a auto medicação, afinal, era essa a proposta do criador do primeiro sistema floral, Edward Bach.

No entanto, essa questão da auto medicação, exige reflexão e uma análise mais profunda.

Freud, Jung, Adler, Reich e outros, todos contemporâneos de Bach, influenciaram e mudaram de forma irreversível a visão do ser psicológico.

No decorrer do século XX outros teóricos foram surgindo com novas teorias. A maioria deles se dedicava à Medicina tradicional mas partiram para os estudos da psique humana.

Porém, com exceção de Jung, o aspecto espiritual, a ligação cósmica com o Universo, a cura pelo Amor, não foi a pedra de toque em suas abordagens. Os tratamentos propostos eram prolongados e onerosos.

Os grandes mestres se tornaram “estrelas” pouco acessíveis.

Nada disso tira o mérito dessa geração, ao contrário, revolucionaram toda uma sociedade e uma filosofia de vida. O mundo nunca mais foi o mesmo depois deles.

Então é preciso considerar que Bach viveu numa época de grande efervescência e revolução nos estudos da psique humana. No entanto, preocupou-se mais com o aspecto espiritual. Ele era médico sanitarista e trabalhava com doentes hospitalizados, acometidos de doenças físicas diversas. Voltou-se então para os estudos da Homeopatia e daí para os florais, foi um caminho natural, devido, exatamente à sua abordagem: o ser é essencialmente espiritual. A doença é resultado do desequilíbrio entre o corpo e o espírito, que ele chamava de Eu Superior. Talvez, por trabalhar com pessoas hospitalizadas, sem muitas condições de iniciar e manter um prolongado tratamento psicológico, pensou numa forma de aliviar o sofrimento humano, oferecendo-lhes um caminho que pudessem trilhar sozinhas. Porém, eram outros tempos, outros problemas, outras morais sociais. Não era tão difícil, para alguém que se interessasse em aprender sua teoria, alcançar um nível aceitável de auto conhecimento, condição primeira para quem espera bons resultados com o uso dos florais.

Hoje a situação mudou radicalmente. São tantas as transformações e tão rápidas que não há tempo para processá-las. Nossa psique é bombardeada diariamente. Basta ver os estados de ânimos das pessoas. Parecem estar numa gangorra. Um dia no alto...outro no chão...

Ninguém consegue atingir um grau de auto conhecimento satisfatório sem ajuda de outro, que faça o papel de um “espelho” e, que seja capaz de devolver uma imagem “não espelhada”, porque toda imagem no espelho é vista ao contrário. Eu costumo dizer que se tentarmos ver uma mosca pousada em nosso nariz, certamente a veremos distorcida. Também é assim com nossas falhas. É preciso uma certa distância para vê-las e reconhecê-las. Isso não é tarefa fácil. A urgência das nossas necessidades cotidianas, a voracidade em “viver a vida”...tudo colabora para nos voltarmos mais para o exterior e muito pouco para nosso interior.

Quem consegue se auto analisar, auto reconhecer, ou ter tempo e dinheiro para uma psicoterapia tradicional (uma vez por semana, no mínimo)? Infelizmente, poucos.

Por isso as terapias holísticas, esotéricas, alternativas, complementares...e os livros de auto ajuda fazem tanto sucesso...

Quando não dão a receita pronta, cortam o caminho para se chegar ao âmago.

Tá errado?

Eu me abstenho de julgar, mas me vejo na obrigação de esclarecer alguns pontos.

.Usar florais é fácil. Difícil é saber qual a essência que vai , efetivamente, ajudar nas nossas dificuldades.

.Florais prontos são como horóscopo de jornal. Vale para cada um e para todos. Podem até fazer o efeito esperado, principalmente porque há uma necessidade que induz a pessoa a acreditar. É o imaginário e a força de sugestão que podem estar agindo. É como os medicamentos para emagrecer...só funcionam enquanto tomados. Na primeira pausa, o peso volta, geralmente em dobro. (veja minha matéria sobre Obesidade).

. Os florais revolvem nossas estruturas internas. Raramente provocam reações desagradáveis, mas pode acontecer, uma vez que trazem à tona, conteúdos geralmente desconhecidos pela pessoa. Isso pode causar, desde um desconforto incompreensível até mesmo uma catarse mais forte. E a quem recorrer? Certamente a alguém que saiba trabalhar com os florais, que tenha preparo e conhecimento do sistema floral.

.Também tenho dúvidas quanto à procedência das essências utilizadas pelos fabricantes. Não me refiro à pureza, à qualidade, à maneira de preparo, mas sim à forma como são apresentadas.

Outro dia, num Pet Shop perguntei ao balconista se aqueles florais eram de Bach. A resposta foi sim. Então, peguei um frasco e, para minha surpresa, na composição não havia nenhuma essência de Bach. A única referência ao Bach era quanto ao modo de preparo das essências.

Acho isso uma enganação. Provavelmente, não deliberada. É pura falta de informação, de conhecimento.

Fica muito claro que escolher um floral apenas pelo título no rótulo de um vidro ou por uma lista de sintomas descritos num livro ou num texto, é fácil. Era o sonho de Bach, mas a Humanidade trilhou caminhos que ele não conheceu e os ajustes se fizeram necessários.

Um deles é procurar ajuda de um profissional competente, em quem possamos confiar nossas dores e prazeres mais íntimos e só assim resgatar nossa harmonia e equilíbrio entre o Eu terreno e o Eu Superior.

Sonia Rocha – Terapeuta Floral: site

__________

Cuide bem de você... www.cuidebemdevoce.com