Que pode ser aprendido com remissão espontânea


No primeiro congresso de medicina integrativa (do 12 ao 13 de abril de 2008,em Munich), Ruediger Dahlke, Prof. Hendrik Treugut, Dr. Achim Schuppert, Dr. Thorsten Doering, Lothar Hirneise, Prof. Bernd Senf, HP Christa Urich, Richard Flook (Inglaterra), Johannes R. Fisslinger, Susanne Billand (Suécia) e muitos outros especialistas, tratam a teoria e a prática da medicina integrativa.

Este artigo descreve um dos temas problemas centrais do congresso, o ponto de vista energético-psicossomático do câncer e os mecanismos de cura.


O Câncer visto pela Psicossomática

Na psicossomática as doenças não são as doenças dos órgãos envolvidos, (sino que) mas são conflitos psíquicos não solucionados que chamam a atenção com sintomas. A partir desta perspectiva, o ser humano obriga a sua psique a reprimir os problemas que não quer enfrentar. Dado que a psique não é capaz de realizar este processo de repressão, é obrigada a transmitir o problema para o corpo com toda a sua energia negativa. Este processo não é arbitrário. Cada órgão e cada parte do corpo é o pára-raios e uma caixa para um determinado tipo de problema que não é devidamente assimilado pela psique. Como os organismos só podem fazer uma certa quantidade destas repressões, ficam doentes por causa do estresse a que estão sujeitos, ou melhor dito, chamam a atenção para essa anomalia através de sintomas.

O último convite para retroceder

Se as tentativas de sinalar um problema com sintomas são constantemente ignorados, ou se remove-se a possibilidade da psicossomática com drogas, medicamentos, operações ou prótese, então, após um histórico de sintomas leves, só deixa o aviso direto, que são doenças graves como, por exemplo, o câncer.

Remissão espontânea 

A cura para todos os tipos de câncer é possível em todas as fases. Do ponto de vista da psicossomática, se trata de entender a mensagem da doença e mudar alguma coisa. Se isso for feito, a psique é capaz de girar a roda, mesmo no último minuto. Desde o ponto de vista médico não há explicação para o fenômeno da “remissão espontânea” desde o ponto de vista da psicossomática, sim.

Poupe tempo e agir em conjunto


De todas as formas, os processos de cognição psicossomática não devem ser o único método escolhido. Obviamente, também deve fazer-se tudo o medicamente possível. O câncer devora o tempo, que é necessário para reparar os problemas e bloqueios psicológicos que estão causando isso. No sentido de uma cura adequada é importante que o médico incentive ou até mesmo tomar a seu cargo a assistência psicológica. Então é quando voltam a ter sentido as medidas para prolongar a vida, quando viver mais tempo não significa sofrer mais tempo, se não ter uma chance de cura.

.(...)Fonte

“Se descobrimos a ferida psíquica de um individuo ou num povo, aí descobrimos também o caminho para a conscientização, pois é no processo de cura de nossas feridas psíquicas que acabamos por nos conhecer a nós mesmos”. Jung

Florais... A Terapia da Alma!