Podemos didaticamente conceber no HOMEM INTEGRAL, três níveis de manifestação.

1-   nível físico – seria o plano material que nos coloca em contato direto com o mundo concreto e seus desafios.

2-   nível energético – mais sutil, onde a saúde e a doença podem acontecer antes de se manifestar no corpo físico.

3-   nível espiritual – o mais transcedental, onde a Essência comandaria todos os processos do que conhecemos como vida.

Tais níveis permanecem em constante processo de interação e interdependência, influenciando-se mutuamente.

A maioria das pessoas procura os médicos quando lhes ocorre algum problema, principalmente no nível físico, objetivando o desaparecimento dos sintomas e um retorno à situação anterior de equilíbrio. É mais fácil tomarmos um comprimido para aliviar a dor de cabeça do que compreender a mensagem que se oculta por trás do sintoma. Tal postura de acomodação ainda faz parte do ser humano e, hoje em dia é muito estimulada pela indústria farmacêutica e pelo próprio imediatismo de nossa sociedade.

Dentro desta visão holística podemos chegar às seguintes conclusões:

1- saúde e doença são polaridades, faces distintas de uma mesma moeda. A doença no plano físico pode, muitas vezes, nos impulsionar para mudanças em planos mais profundos. É comum observarmos certos pacientes terminais estarem desfrutando de paz interior indescritível a partir do momento em que se conscientizam de sua doença.

2- a doença, entendida desta forma, pode constituir-se em instrumento valioso de transformação, trazendo-nos um confronto com partes nossas muitas vezes negadas ou reprimidas. A função do terapeuta neste caso, é a de ser um facilitador do processo para que o indivíduo enfermo acesse os recursos internos que o movimentarão no sentido da cura integral.

3- apesar de reconhecermos a importância dos vetores externos na produção de certas doenças, com a compreensão holística, descortinamos horizontes mais amplos e mudamos o foco externo dos desequilíbrios para o interior do ser que adoece, procurando entende-lo em todos os seus significados – físico, energético, emocional e espiritual.

4- o conceito de saúde no enforque holístico devolve ao enfermo a responsabilidade pela própria cura, na medida que o conscientiza da necessidade de retificar as posturas internas que estão perpetuando o padrão de desequilíbrio, ao contrario da medicina tradicional que transfere a responsabilidade da cura para a ação do médico e dos medicamentos.

Por Luiz Sergio de Lima Gomes  -Fonte

CUIDE BEM DE VOCÊ

“O conceito de saúde no enforque holístico devolve ao enfermo a responsabilidade pela própria cura, na medida que o conscientiza da necessidade de retificar as posturas internas que estão perpetuando o padrão de desequilíbrio.”

www.cuidebemdevoce.com