PSICOTERAPIA – Suplemento ao UCEM


INTRODUÇÃO

 

A psicoterapia é a única forma de terapia que existe. Já que só a mente pode estar doente, só a mente pode ser curada. Esse não parece ser o caso, pois as manifestações desse mundo, de fato, parecem ser reais. A psicoterapia é necessária de modo que o individuo possa começar a questionar a realidade disso. Algumas vezes ele é capaz de começar a abrir a sua mente sem ajuda formal, mas, mesmo nesse caso, o que lhe permite fazer isso é algo que muda na sua percepção dos relacionamentos interpessoais. Algumas vezes ele precisa de um relacionamento mais extenso e estruturado com um terapeuta ‘oficial’. Seja como for, a tarefa é a mesma: é preciso ajudar o paciente a mudar a sua mente sobre a ‘realidade’ das ilusões.

 

 

1 – PROPÓSITO DA PSICOTERAPIA

 

Dito muito simplesmente, o propósito da psicoterapia é remover os bloqueios à verdade. O seu objetivo é ajudar o paciente a abandonar o seu sistema fixo de delusões e começar a reconsiderar as relações falsas de causa e efeito nas quais ele se baseia. Ninguém neste mundo escapa do medo, mas todos podem reconsiderar as suas causas e aprender a avaliá-las corretamente.

Deus deu a todos um Professor cuja sabedoria e ajuda em muito excedem quaisquer contribuições que um terapeuta terreno possa oferecer. No entanto, existem momentos e situações nos quais um relacionamento terreno entre paciente e terapeuta pode vir a ser o meio através do qual Ele oferece as Suas maiores dádivas aos dois.

 

Que melhor propósito qualquer relacionamento poderia ter do que convidar o Espírito Santo a participar dele dando-lhe a grande dádiva da alegria? Que meta mais elevada qualquer um poderia ter do que aprender a invocar a Deus e ouvir a Sua Resposta? E que objetivo mais transcendente pode haver do que revocar o Caminho, a Verdade e a Vida e lembrar-se de Deus?

Ajudar nisso é o propósito adequado da psicoterapia. Que outra coisa poderia ser mais santa? Pois a psicoterapia, propriamente compreendida, ensina o perdão e ajuda o paciente a reconhecê-lo e aceitá-lo. E, na sua cura, o terapeuta é perdoado junto com ele.

 

A psicoterapia, portanto, tem que restaurar na sua consciência a capacidade de tomar suas próprias decisões. Ele tem que estar disposto a reverter o seu modo de pensar e a compreender que o que ele pensava que projetava os seus efeitos sobre ele era constituído das suas projeções sobre o mundo. O mundo que ele vê, portanto, não existe. Até que isso seja finalmente aceito, pelo menos em parte, o paciente não pode ver a si mesmo como realmente capaz de tomar decisões. E ele lutará contra a sua liberdade porque pensa que é a escravidão.

 

O paciente não precisa pensar na verdade como um Deus para fazer progressos no caminho da salvação. Mas ele precisa começar a separar a verdade das ilusões, reconhecendo que não são a mesma coisa e passando a estar cada vez mais disposto a ver ilusões como falsas e aceitar a verdade como verdadeira. O seu Professor o levará adiante a partir daí, tanto quanto ele estiver pronto para seguir. A psicoterapia só pode economizar tempo. O Espírito Santo usa o tempo como Ele acha melhor, e nunca está errado.

A psicoterapia sob a sua orientação é um dos meios que Ele usa para economizar tempo e preparar mais professores para o Seu trabalho. Não há fim para a ajuda que Ele começa e dirige. Seja qual for a estrada que Ele escolha, toda psicoterapia conduz a Deus no final. Mas isso está a Seu cargo.

 

Nós todos somos Seus psicoterapeutas, pois Ele quer que todos nós sejamos curados n’Ele.

 

2 – O PROCESSO DA PSICOTERAPIA

 

A psicoterapia é um processo que muda o conceito do ser. No seu ponto alto, esse ‘novo’ ser é um auto-conceito mais benéfico, mas dificilmente se pode esperar que a psicoterapia estabeleça a realidade. Essa não é a sua função. Se ela pode abrir caminho para a realidade, conseguiu o seu sucesso máximo. Toda a sua função, afinal, é ajudar o paciente a lidar com um erro fundamental: a crença segundo a qual a raiva lhe traz algo que ele realmente quer e que, por justificar o ataque, ele está protegendo a sim mesmo. Seja qual for a extensão na qual ele venha a dar-se conta de que isso é um erro, nessa medida ele está verdadeiramente salvo.

 

Pacientes não entram num relacionamento psicoterapêutico com essa meta em mente. Ao contrário, esses conceitos significam pouco para eles, ou não precisariam de ajuda. O seu objetivo é serem capazes de manter os seus auto-conceitos exatamente como são, mas sem o sofrimento que acarretam. Todo o seu equilíbrio se baseia na crença insana de que isso é possível. E, como para a mente sã isso é claramente impossível, o que buscam é mágica. Em ilusões o impossível é facilmente realizado, mas só ao custo de tornar as ilusões verdadeiras. O paciente já pagou esse preço. Agora ele quer uma ilusão ‘melhor’.

 

No inicio, portanto, a meta do paciente e a do terapeuta não estão de acordo. O terapeuta assim como o paciente podem valorizar auto-conceitos falsos, mas as suas respectivas percepções da ‘melhora’ ainda tem que divergir. O paciente espera aprender como conseguir mudanças que ele quer sem mudar o seu auto-conceito em qualquer medida significativa. Ele espera, de fato, estabilizá-lo suficientemente para incluir dentro dele os poderes mágicos que ele busca na psicoterapia. Ele quer fazer com que o vulnerável venha a ser invulnerável e o finito ilimitado. O ser que ele vê é o seu deus, e ele busca apenas para servi-lo melhor.

 

Independentemente da sinceridade do próprio terapeuta, ele não pode deixar de querer mudar o auto-conceito do paciente de algum modo que ele acredita ser real. A tarefa da terapia é reconciliar essas diferenças. Espera-se que ambos aprenderão desistir dessas metas originais, pois é apenas em relacionamentos que a salvação poder ser encontrada. No inicio, é inevitável que tanto pacientes quanto os terapeutas aceitem metas que não são realistas e que não estão completamente livres dos tons menores da magia. Esses são finalmente abandonados nas mentes de ambos.

 

I – Os Limites da Psicoterapia

 

Apesar disso, o resultado ideal raramente é conseguido. A terapia começa quando se compreende que a cura é da mente e, em psicoterapia, aqueles que se encontram já acreditam nisso. Pode ser que não consigam chegar muito adiante, pois ninguém aprende o que está além daquilo que ele próprio está pronto para aprender. Contudo, níveis de prontidão mudam, e quando o terapeuta ou o paciente atinge o próximo nível, um relacionamento lhe será oferecido que satisfaz aquela necessidade mudada. Talvez eles se encontrem outra vez e avancem no mesmo relacionamento, tornando-o mais santo. Ou talvez cada um deles entre em um outro compromisso. Tem certeza disso: cada um progredirá. O retrocesso é temporário. A direção predominante é o progresso rumo a verdade.

 

A psicoterapia em si mesma não pode ser criativa. Esse é um dos erros engendrados pelo ego: que ele é capaz de mudanças verdadeiras e, portanto, de verdadeira criatividade. Quando nós falamos da “ilusão que salva” ou do “sonho final”, não é a isso que nos referimos, mas aqui está a última defesa do ego. “Resistência” é o seu modo de olhar para as coisas: a sua interpretação de progresso e crescimento. Essas interpretações estarão necessariamente erradas porque são delusórias. As mudanças que o ego busca fazer não são realmente mudanças. São apenas sombras mais profundas, ou talvez as nuvens se combinem em padrões diferentes. Contudo, o que é feito do nada não pode ser chamado de novo ou diferente. Ilusões são ilusões; verdade é verdade.

 

A resistência, tal como é definida aqui, pode ser característica tanto de um terapeuta quanto de um paciente. Nos dois casos, ele coloca um limite na psicoterapia porque restringe os seus objetivos. E o Espírito Santo também não pode luta contra as intrusões do ego no processo terapêutico. Mas Ele esperará, e a Sua paciência é infinita. A Sua meta é sempre indivisa. Sejam quais forem as resoluções que o paciente e o terapeuta tomem com relação às metas divergentes, elas não podem ser totalmente reconciliadas em uma só até que eles se unam com a Sua. Só então todo o conflito termina, pois só então pode haver certeza.

 

Em sua forma ideal, a psicoterapia é uma série de encontros santos nos quais irmãos se unem para abençoar um ao outro e receber a paz de Deus. E isso um dia virá acontecer para cada ‘paciente’ na face da terra, pois quem exceto um paciente poderia jamais ter vindo aqui? O terapeuta é apenas um professor de Deus mais especializado. Ele aprende ensinando, e quanto mais avançado ele é, mais ensina e aprende. Mas seja qual for o estágio no qual ele estiver, há pacientes que precisam dele exatamente daquele modo. Eles não podem receber mais do que podem dar por enquanto. No entanto, ambos encontrarão a sanidade no fim.

 

 

II – O Lugar da Religião na Psicoterapia


Para ser um professor de Deus não é necessário ser religioso ou sequer acreditar em Deus em qualquer medida reconhecível.

È necessário, contudo, ensinar o perdão ao invés da condenação. Mesmo nisso não é preciso que haja uma dedicação consistente, pois alguém que estivesse chegado a este ponto poderia ensinar a salvação de forma completa, em um instante e sem nenhuma palavra.

 

Mas aquele que aprendeu todas as coisas não precisa de professor, e os curados não precisam de terapeuta.

Os relacionamentos ainda são o templo do Espírito Santo e serão feitos perfeitos no tempo e restaurados à eternidade.

 

A religião formal não tem lugar na psicoterapia, mas também não tem lugar na religião. Nesse mundo, há uma tendência surpreendente de juntar palavras contraditórias em um termo sem que se perceba a contradição de forma alguma. A tentativa de dar uma forma à religião é tão obviamente uma tentativa do ego para reconciliar o irreconciliável que dificilmente seria necessário elaborar sobre esse ponto.

 

Religião é experiência; psicoterapia é experiência.

Nos seus níveis mais altos podem unificar-se. Nenhuma das duas é a verdade em si mesma, mas ambas aparentes à verdadeira consciência?

 

Ninguém que aprenda a perdoar pode deixar de lembrar-se de Deus. Portanto, o perdão é tudo o que precisa ser ensinado, porque é tudo o que precisa ser aprendido. Todos os bloqueios à lembrança de Deus são formas que não foram perdoadas, e nada mais. Isso nunca é claro para o paciente, e raramente para o terapeuta. O mundo convocou todas as suas forças contra essa única consciência, pois nela se acha o fim do mundo e de tudo o que ele representa.

Contudo, a consciência de Deus não é uma meta razoável para a psicoterapia. Isso virá quando a psicoterapia estiver completa, pois quando há perdão a verdade não pode deixar de vir. De fato, seria injusto que fosse preciso acreditar em Deus para se conseguir um sucesso terapêutico. A crença em Deus também não é realmente um conceito significativo, pois Deus só pode ser conhecido.

 

Acreditar implica que é possível não acreditar, mas o conhecimento de Deus não tem nenhum oposto verdadeiro. Não conhecer a Deus é não ter conhecimento, e é para isso que a negação do perdão conduz, Sem conhecimento, só se pode ter crenças.

 

Instrumentos de ensino diferentes fazem apelo a pessoas diferente. Algumas formas de religião não tem nada a ver com Deus; e algumas formas de psicoterapia não tem nada haver com cura. No entanto, se o aluno e o professor se unem ao compartilhar uma única meta, Deus entrará em relacionamento porque Ele foi convidado a participar. Da mesma forma, uma união de propósito entre paciente e terapeuta restaura Deus ao Seu lugar de ascendência, primeiro através da visão do Cristo e, depois, através da memória do próprio Deus.

 

O processo da psicoterapia é a volta à sanidade. Professor e aluno, terapeuta e paciente, todos são insanos, ou não estariam aqui. Juntos podem achar um atalho de volta, pois ninguém encontrará sanidade sozinho.

 

Se a cura é um convite a Deus para que Ele entre em Seu Reino, que diferença pode fazer como o convite foi escrito?

Será que o papel importa, ou a tinta, ou a caneta? Ou é aquele que escreve que faz o convite? Deus vem á aqueles que querem restaurar o Seu mundo, pois eles acharam o meio de chamá-Lo. Se duas pessoas estão unidas, Ele não pode deixar de estar presente.

Não importa qual é o seu propósito, mas eles precisam compartilhá-lo integralmente para ter sucesso. É impossível compartilhar uma meta que não é abençoada pelo Cristo, pois o que não é visto pelos olhos é fragmentado demais para ser significativo.

 

Como a religião verdadeira cura, a verdadeira psicoterapia também não pode deixar de ser religiosa. Mas ambas têm muitas forma, porque nenhum bom professor usa um único enfoque para todos os alunos. Ao contrário, ele ouve pacientemente cada um e deixa-o formular seu próprio currículo, não a meta do currículo, mas a melhor forma para o objetivo que ela estabelece para ele. Talvez o professor não pense em Deus como parte do ensinamento. Talvez o psicoterapeuta não compreenda que a cura vem de Deus. Eles podem ter sucesso onde muitos que acreditam que encontraram Deus falharão.

 

O que pode o professor fazer para garantir o aprendizado? O que deve fazer o terapeuta para trazer a cura?

Só uma coisa: o mesmo requisito que a salvação faz a qualquer pessoa.

Cada um tem que compartilhar uma meta com uma pessoa, e fazendo isso, perder todo o senso de interesses separados. Só fazendo isso é possível que o professor e o aluno, o terapeuta e o paciente, eu e tu aceitemos a Expiação e aprendamos a dar assim como foi recebido.

 

A comunhão é impossível sozinho. Ninguém que se coloque à parte pode receber a visão de Cristo. Ela lhe é oferecida, mas ele não pode estender a mão para recebê-la.

Que ele fique quieto e reconheça que a necessidade do seu irmão é a sua; e veja que ambas são satisfeitas como uma só, pois elas são a mesma.

 

O que é a religião senão um instrumento para ajudá-lo a ver que é isso é assim? E o que é a psicoterapia exceto uma ajuda na mesma direção?

È a meta que faz com que esses processos sejam o mesmo, pois eles são um em propósito e tem de ser um em seus meios.

 

 

III - O Papel do Psicoterapeuta


O Psicoterapeuta é um líder no sentido de que ele caminha um pouco na frente do paciente e o ajuda a evitar umas poucas armadilhas ao longo da estrada por vê-las em primeiro lugar. Na forma Ideal, ele é também um seguidor, pois Alguém deve caminhar na sua frente para dar-lhe a luz para ver. Sem esse Alguém, ambos irão tropeçando cegamente em direção a lugar nenhum. No entanto, é impossível que esse alguém esteja totalmente se a meta é a cura. Ele pode, contudo, não ser reconhecido. E, nesse caso, a pouca luz que pode ser aceita é tudo o que existe para iluminar o caminho da verdade.

 

A cura é limitada pelas limitações do psicoterapeuta, assim como do paciente. O objetivo do processo, portanto, é transcender esses limites. Nenhum dos dois pode fazer isto sozinhos, mas quando se unem, a potencialidade de transcender todas as limitações lhes foi dada. Agora, a extensão do seu sucesso dependerá de quanto dessa potencialidade eles estão dispostos a usar. A disponibilidade pode vir de qualquer um dos dois no inicio e, a medida que o outro a compartilha, ela crescerá. O progresso vem a ser uma questão de decisão; pode chegar quase até o Céu, ou não ir mais longe do que a um passo ou dois do inferno.

 

É bem possível que a psicoterapia pareça falhar. É até possível que o resultado pareça um retrocesso. Mas no fim não pode deixar de haver algum êxito. Um pede ajuda, um outro ouve e tenta responder na forma de ajuda. Essa é a fórmula para a salvação e não pode deixar de curar. Só metas divididas podem interferir como cura perfeita. Um terapeuta totalmente sem ego poderia curar o mundo sem uma palavra, meramente por estar presente. Ninguém precisa vê-lo ou falar com ele ou sequer saber de sua existência. A Sua simples Presença é suficiente para curar.

 

O terapeuta ideal é um com Cristo. Mas a cura é um processo, não um fato. O terapeuta não pode progredir sem o paciente e o paciente não pode estar pronto para receber o Cristo ou não poderia estar doente. De certa forma, o psicoterapeuta sem ego é uma abstração que está no fim do processo de cura, por demais avançado para acreditar na doença e perto demais de Deus para manter os seus pés na terra. Agora ele pode ajudar através daqueles que têm necessidade de ajuda, pois assim ele executa o plano estabelecido para a salvação.

 

O psicoterapeuta vem a ser seu paciente, trabalhando através de outros pacientes para expressar os seus pensamentos assim como ele os recebe da Mente do Cristo.

 

IV – O Processo de Enfermidade.

 

Como toda terapia é psicoterapia, assim também toda enfermidade é doença mental. É um julgamento feito sobre o Filho de Deus, e o julgamento é uma atividade mental. O julgamento é uma decisão, tomada uma e outra vez, contra a criação e seu Criador. É uma decisão de perceber o universo assim como tu o terias criado. É uma decisão segundo a qual a verdade pode mentir e não pode deixar de ser mentira. Nesse caso, o que poder ser a enfermidade senão uma expressão de pesar e culpa? E quem poderia chorar exceto pela própria inocência?

 

Uma vez o Filho de Deus é visto como um ser culpado, a enfermidade vem a ser inevitável. Foi pedida e será recebida. E todos aqueles que pedem uma enfermidade, agora condenaram a si mesmos a buscar remédios que não podem ajudar porque sua fé foi colocada na enfermidade e não na salvação.

 

Não há nada que uma mudança da mente não possa realizar, pois todas as coisas externas são apenas sombras de uma decisão já tomada.

Muda a decisão, e assim como seria possível que a sua sombra ficasse sem ser mudada.

A enfermidade só pode ser a sombra da culpa, grotesca e feia, já é uma mímica da deformidade, Se uma deformidade é vista como real, como poderia ser sua sombra senão deformada?

 

A descida ao inferno acontece passo a passo em curso inevitável uma vez que a decisão de que a culpa é real foi tomada. A doença, a morte e a miséria agora assombram a terra em ondas incessantes, algumas vezes juntas e algumas vezes em inflexível sucessão. Contudo, todas essas coisas, por mais real que pareçam, são simples ilusões. Quem poderia depositar nelas a sua fé, uma vez que isso é compreendido?

E quem poderia não depositar a sua fé em todas elas até que compreenda isso?

 

A cura é terapia ou correção, e nós já dissemos, e vamos repetir, que toda terapia é psicoterapia. Curar o doente é, apenas, trazer a ele a consciência disso.

 

A palavra “cura” passou a ter má reputação entre os terapeutas mais ‘respeitáveis’ do mundo, e com razão. Nenhum deles pode curar e nenhum deles compreende a cura. Na pior das hipóteses, eles apenas fazem com que o corpo seja real em suas próprias mentes e, tendo feito isso, buscam uma mágica, com a qual curar as enfermidades com as quais as suas mentes o dotaram. Como pode tal processo poderia curar? É ridículo do início ao fim. Contudo, tendo iniciado o processo, ele não pode deixar terminar assim. É como se Deus fosse o diabo e precisasse ser encontrado no mal. Como poderia o amor estar presente? E como poderia uma doença curar? Não são ambas uma única pergunta?

 

Na melhor das hipóteses, e a expressão é talvez questionável aqui, os ‘curadores’ do mundo podem reconhecer a mente como a fonte da enfermidade. Mas o erro está em acreditarem que ela pode curara si mesma. Isso em algum mérito num mundo em que “gradações de erros” é um conceito significativo. Contudo, as suas curas têm que continuar sendo temporárias, ou uma outra enfermidade tem que surgir em seu lugar, pois a morte não foi vencida até que o significado do amor seja compreendido. E quem pode compreender isso sem o Verbo de Deus, dado por Ele ao Espírito Santo como Sua dádiva a ti?

 

Qualquer tipo de enfermidade poder ser definido como resultado de uma perspectiva que vê o ser como fraco, vulnerável, mau, e em perigo, e assim em necessidade de defesa constante. No entanto, se o ser fosse assim realmente, defendê-lo seria impossível. Portanto, as defesas buscadas para isso não podem deixar de ser mágicas. Elas têm que vencer todos os limites percebidos no ser e ao mesmo tempo fazer um autoconceito novo, no qual o velho não pode reaparecer. Em uma palavra, o erro é aceito como real e se lida com isso através de ilusões. Como a verdade foi trazida às ilusões, a realidade agora passa a ser uma ameaça e é percebida como mal. O amor passa a ser temido porque a realidade é amor. Assim o currículo se fecha contra as “trilhas internas” da salvação.

 

A enfermidade, portanto, é um equívoco e precisa ser corrigido.Como nós já enfatizamos, a correção não poder ser realizada quando se estabelece em primeiro lugar o ‘direito’ do equivoco para depois ignorá-lo. Se a enfermidade é rela, ela não pode ser ignorada na verdade, pois não ver a realidade é insano. No entanto, esse é o propósito da mágica: fazer com que as ilusões sejam reais através de uma percepção falsa. Isso não pode curar, pois se opõe à verdade. Talvez uma ilusão de saúde a substitua por pouco tempo, mas nunca dura. O medo não pode ser escondido por ilusões, pois é parte delas. Ele escapará e tomará outra forma, sendo a fonte de todas as ilusões.

 

A doença é insanidade porque toda a doença é doença mental, e nisso não há gradação. Uma das ilusões que nos faz perceber a doença comum algo real é a crença segundo a qual as enfermidades variam de intensidades e grau de ameaçam difere segundo a forma que ela toma. Nisso está a base de todos os erros, pois todos eles não são nada mais que tentativas de barganha por ver apenas um pouquinho do inferno. Isso é uma zombaria tão alheia a Deus que tem que ser para sempre inconcebível. Mas os insanos acreditam nisso porque são insanos.

 

Um homem louco defenderá as suas ilusões porque nisso vê a sua própria salvação. Assim, ele atacará aquele que tenta salvá-lo, acreditando que o está atacando. Esse currículo curioso de ataque-defesa é um dos problemas mais difíceis com os quais o terapeuta tem que lidar. De fato, essa é a sua tarefa central, o núcleo da psicoterapia. O terapeuta é visto como alguém que está atacando aquilo que o paciente tem de mais caro: o seu retrato de si mesmo. E como esse retrato veio a ser a segurança do paciente assim como ele a percebe, o psicoterapeuta não pode deixar de ser visto como uma fonte de perigo real a ser atacada e até mesmo morta.

 

O psicoterapeuta, então, tem uma tremenda responsabilidade. Ele tem que parar o ataque sem atacar e, portanto, sem defender-se. É sua tarefa demonstrar que as defesas não são necessárias, e que a indefensividade é força. Esse tem que ser seu ensinamento, se é que sua lição vai ensinar que é seguro ter sanidade. O que não pode parecer por demais enfatizado é que os insanos acreditam que a sanidade é uma ameaça. Esse é o corolário do ‘pecado original’: acredita-se que a culpa é real e inteiramente justificada. Portanto, é função do psicoterapeuta ensinar que a culpa, sendo irreal, não pode ser justificada. E assim ela não pode deixar de continuar a ser tanto indesejável quanto irreal.

 

A doutrina única da salvação é a meta de toda terapia. Alivia a mente da carga insana da culpa que ela carrega com tanto cansaço e a cura se realiza. O corpo não é curado. Meramente se reconhece o que ele é. Visto corretamente, o seu propósito pode ser compreendido. Nesse caso, há necessidade de doença? Dada essa única mudança, tudo o mais se seguirá. Não há nenhuma necessidade de longas análises, discussões cansativas, e buscas. A verdade é simples, sendo uma só para todos.

 


V – O Processo da Cura

Ainda que a verdade seja simples, ela tem que ser ensinada àqueles que já perderam os seus caminhos em labirintos de complexidade sem fim. Essa é a grande ilusão.

Em seu rastro vem a crença inevitável segundo a qual, para se estar seguro, é preciso controlar o desconhecido. Essa estranha crença se baseia em certos passos que nunca atingem a consciência. Em primeiro lugar, é introduzida pela crença de que existem forças a serem vencidas para que se possa viver.

 

Em seguida, parece que essas forças podem ser mantidas à distância apenas por um auto-conhecimento inflado que mantém na escuridão o que é verdadeiramente sentido e busca trazer as ilusões à luz.

 

Vamos lembrar que aqueles que vêm a nós em busca de ajuda estão amargamente amedrontados. O que eles acreditam que pode ajudar, só lhes pode causar dano, pode ajudar. O progresso passa a ser impossível até que o paciente seja persuadido a reverter no seu modo distorcido de olhar para o mundo, o seu modo distorcido de olhar para si mesmo. A verdade é simples. Contudo, precisa ser ensinada àqueles que pensa que ela vai colocá-los em perigo.

 

Precisa ser ensinada àqueles que vão atacar porque se sentem em perigo e àqueles que precisam da lição da indefensividade acima de todas as coisas, para mostra-lhes o que é força.

 

Se esse mundo fosse ideal, poderia talvez haver uma terapia ideal. E, no entanto, seria inútil em um estado ideal. Falamos de um ensinamento ideal em um mundo no qual o professor perfeito não poderia permanecer por muito tempo; o psicoterapeuta perfeito é apenas um vislumbre de um pensamento ainda não concebido. Todavia continuamos falando do que ainda pode ser feito para ajudar os insanos dentro das limitações do alcançável. Enquanto estão doentes, podem e devem ser ajudados. Nada mais do que isso é pedido à psicoterapia; nada menos do que tudo o que ele tem para dar é digno do terapeuta. Pois o próprio Deus lhe oferece a seu irmão como Aquele que o salva do mundo.

A cura é santa.

 

Nada no mundo é mais santo do que ajudar àquele que pede ajuda. E duas pessoas chegam muito perto de Deus nessa tentativa, por mais que ela seja limitada, por mais que lhe falte sinceridade. Onde dois se uniram com a intenção da cura, Deus está presente. E Ele garantiu que em verdade os ouvirá e lhes responderá. Eles podem estar certos de que a cura é um processo que Ele dirige porque está de acordo a Sua Vontade.

Nós temos o Seu Verbo para nos guiar, enquanto tentamos ajudar nossos irmãos.

 

Que não nos esqueçamos de que somos impotentes por nós mesmos, e nos vamos apoiar em uma Força além do nosso pequeno escopo quanto ao que devemos ensinar, e também ao que devemos aprender.

 

Um irmão em busca de auxílio pode trazer-nos dádivas além das dimensões percebidas em qualquer sonho. Ele nos oferece a salvação, pois vem a nós como Cristo e Salvador. O que Ele pede é pedido por Deus através d’Ele. E o que fazemos por ele vem a ser a dádiva que damos a Deus. O sagrado pedido de ajuda do Filho santo de Deus na angústia que ele percebe só pode ser respondido pro seu Pai. No entanto, Ele precisa de uma voz com a qual expressar o Seu Verbo santo, de uma mão para alcaçar o Seu Filho e tocar o seu coração. Em tal processo, quem poderia deixar de ser curado? Essa interação santa é o plano do próprio Deus, através do qual o Seu Filho é salvo.

 

Pois dois se uniram.  E agora as promessas de Deus são mantidas por Ele. Os limites colocados em ambos, paciente e terapeuta, não contarão absolutamente, pois a cura começou.

O que eles têm que começar, seu Pai completará. Pois Ele nunca pediu mais do que a menor disponibilidade, o avanço mais mínimo, o mais fraco dos murmúrios em favor do Seu Nome. Pedir ajuda, seja qual for a forma que isso tome, não é senão um chamado a Ele. E Ele mandará a Sua Resposta através do terapeuta que melhor pode servir ao Seu Filho em todas as suas necessidades presentes. Talvez a resposta não pareça ser uma dádiva do Céu. Pode até  parecer uma piora e não uma ajuda. Ainda assim, que o resultado não seja julgado por nós.

 

Em algum lugar todas as dádivas têm que ser recebidas. No tempo nenhum esforço pode ser feito em vão. Não é a nossa perfeição que nos é pedida em nossas tentativas de curar. Já estamos enganados se pensamos que haja alguma necessidade de cura. E a verdade virá anos através de alguém que parece compartilhar o nosso sonho de doença. Vamos ajudá-lo a perdoar a si mesmo por todas as dádivas pelas quais ele quer condenar a si mesmo sem causa. A sua cura é a nossa. E ao vermos a impecabilidade brilhar nele através do véu da culpa que cobre o Filho de Deus com uma mortalha, nós contemplaremos nele a face do Cristo e compreenderemos que não é senão a nossa.

 

Vamos ficar em silêncio diante da Vontade de Deus, e fazer o que ela determinou que façamos. Há apenas um caminho pelo qual podemos chegar onde todos os sonhos começaram. E é lá que vamos deixá-lo de lado, para vir embora em paz para sempre.

 

Ouve o pedido de ajuda de um irmão e responde-o. Será a Deus que responderás, pois O chamaste. Não há nenhum outro caminho para ouvir a Sua Voz. Não há nenhum outro caminho para achar o teu Ser. A cura é santa, pois o Filho de Deus retorna ao Céu através do seu abraço benigno. Pois a cura lhe diz, através da Voz por Deus, que todos os seus pecados foram perdoados.

 

 

VI – A Definição da Cura


O processo da psicoterapia pode, então, ser definido simplesmente como perdão, pois a cura não pode ser nenhuma outra coisa, Os que não perdoam estão doentes, acreditando que não foram perdoados. Apegando-se à culpa, abraçando-a fortemente, e oferecendo-lhe abrigo, protegendo-a com amor e defendendo-a em constante estado de alerta – estão apenas recusando-se inflexivelmente a perdoar.

“Deus não pode entrar aqui” os doentes repetem uma e outra vez, enquanto choram a sua perda e ainda assim se regozijam nela. A cura acontece quando um paciente começa a ouvir a lamentação fúnebre que canta e questiona a sua validade. Até que ele a ouça, não pode entender que é ele mesmo que canta para si próprio. Ouvi-la é o primeiro passo na recuperação. Questioná-la tem que vir a ser sua escolha.

 

Há uma tendência e muito forte de ouvir essa canção da morte apenas por um instante, e depois despedi-la sem correção. Esses momentos fugazes de consciência representam as muitas oportunidades que nos são dadas para ‘mudar o tom’  literalmente . O som da cura pode ser ouvido em vez disso. Mas, em primeiro lugar, a disponibilidade de questionar a ‘veracidade’ da canção da condenação tem que surgir.

 

As estranhas distorções tecidas inexplicavelmente no auto-conceito de cada um, que é em si mesmo uma pseudo-criação, faz com que esse som tão feio pareça verdadeiramente belo.

“O ritmo do universo”, “o arauto da canção dos anjos”, tudo isso e muito mais ainda é ouvido em vez dos altos guinchos dissonantes.

 

O ouvido traduz, ele não ouve. O olho reproduz, ele não vê. A sua tarefa é tornar agradável seja o que for que seja chamado, por mais desagradável que possa ser. Eles respondem às decisões da mente, reproduzindo os seus desejos e traduzido-os em formas aceitáveis e aprazíveis. 

 

Algumas vezes o pensamento por trás da forma vem a tona, mas apenas por um breve instante e a mente se amedronta e começa a questionar a própria sanidade. Contudo, ela não permitirá que seus escravos mudem as formas que contemplam, os sons que ouvem. Esses são os seus ‘remédios’, seus ‘salvos condutos’ através da insanidade.

 

Esses testemunhos que os sentidos trazem não têm senão um propósito: justificar o ataque e assim manter o que não foi perdoado sem ser reconhecido pelo que é. Visto sem disfarces, isso é intolerável. Sem proteção não poderia subsistir. Aqui toda a doença é valorizada, sem o reconhecimento de que é assim. Pois quando o que não foi perdoado não é reconhecido, a forma que toma parece ser outra coisa.

 

E agora é essa ‘outra coisa’ que parece aterrorizar. Mas não é a ‘outra coisa’ que pode ser curada. Não está doente, e não precisa de nenhum remédio. Concentrar os teus esforços para cura aqui é apenas futilidade. Quem pode curar o que não pode estar doente e fazer com que bom?

 

A doença toma muitas formas e assim também a indisponibilidade para perdoar. As formas de cada um apenas reproduzem as formas da outra, pois são a mesma ilusão. Cada uma é traduzida tão fielmente na outra, que um estudo cuidadoso da forma de uma doença toma apontará claramente para a forma da indisponibilidade de perdão que representa.

Contudo, ver isso não efetuará uma cura. Isso é conseguido por apenas um reconhecimento: que só o perdão cura algo que não foi perdoado, e só uma indisponibilidade de perdoar pode fazer surgir qualquer tipo de doença.

 

A compreensão dessa idéia é a meta final da psicoterapia. Como é realizada? O terapeuta vê no paciente tudo o que ele não perdoou em si mesmo e assim lhe é dada uma outra chance de olhar para isso, abri-lo para reavaliação e perdoá-lo. Quando isso acontece, ele vê que seus pecados desaparecem num passado que não está mais presente. Até que faça isso, não pode deixar de pensar que o mal o está atacando aqui e agora. O paciente é a tela para a projeção de seus pecados, capacitando-o a soltá-los. Se ele retiver uma mancha de pecado naquilo que contempla, a sua liberação será parcial e não será uma certeza.

 

Ninguém é curado sozinho. Essa é a canção alegre que a salvação canta para todos aqueles que ouvem sua Voz. Essa declaração não pode ser por demais lembrada por todos aqueles que vêem a si mesmo como terapeutas. Os seus pacientes só podem ser vistos como portadores do perdão, pois são eles que vêm demonstrar a própria impecabilidade a olhos que ainda acreditam que o pecado lá está para ser contemplado. No entanto, a prova da impecabilidade, vista no paciente e aceita no terapeuta, oferece à mente de ambos um acordo no qual eles se encontram e se unem e são como um só.

 

 

VII – O Relacionamento Ideal entre Paciente e Terapeuta.


Quem, então, é o terapeuta e quem é o paciente? No fim, todos são ambos. Aquele que precisa de cura tem que curar.

Médico, cura a ti mesmo. Quem mais existe para ser curado? E quem mais tem necessidade de cura? Cada paciente que vem para um terapeuta lhe oferece uma chance para curar a si mesmo. Ele é, portanto, seu terapeuta. E cada terapeuta tem que aprender a curar com cada paciente que vem a ele. Ele assim passa a ser seu paciente. Deus não conhece a separação. Ele tem o conhecimento de que tem apenas um Filho. O Seu conhecimento se reflete no relacionamento ideal entre paciente e terapeuta. Deus vem àquele que chama, e n’Ele ele reconhece a Si mesmo.

 

Pensa com cuidado, professor e terapeuta, em quem é aquele por quem oras e quem é aquele que tem necessidade de cura.  Pois terapia é oração, e a cura é o seu objetivo e o seu resultado. O que é a oração senão a união de mentes em um relacionamento no qual Cristo pode entrar? Essa é a Sua casa, para a qual a psicoterapia O convida.

 

O que é a cura de sintomas, quando há sempre um outro a ser escolhido? Mas, uma vez que Cristo tenha entrado, que outra escolha existe senão deixa-Lo ficar?

Não há necessidade de nada mais do isso, pois isso é tudo. A cura está aqui, e a felicidade e a paz. Esses são os ‘sintomas’ do relacionamento ideal entre paciente e terapeuta, substituindo aqueles com os quais o paciente veio pedindo ajuda.

 

O Processo que acontece nesse relacionamento é, de fato, aquele no qual o terapeuta diz, no seu coração, ao paciente que todos os seus pecados foram perdoados, junto com seus próprios. Qual poderia ser a diferença entre a cura e o perdão?

Só Cristo perdoa, conhecendo a Sua impecabilidade. A Sua visão cura a percepção e a doença desaparece. E também não retornará uma outra vez, pois a sua causa foi removida. Isso, no entanto, precisa da ajuda de um terapeuta muito avançado, capaz de se unir com o paciente em um relacionamento santo no qual todo o senso de separação é finalmente vencido.

 

Para isso, uma coisa e só uma coisa é necessária: que o terapeuta não se confunda de forma alguma com Deus.

Todos os “curadores não-curados” fazem esta confusão fundamental de uma forma ou de outra, porque não podem deixar de considerar a si mesmos como seres auto-criados ao invés de criados por Deus. Essa confusão está raramente ou nunca na consciência, ou o curador não-curado passaria instantaneamente a ser um professor de Deus, devotando a sua vida à função da verdadeira cura.

Antes de atingir esse ponto, ele pensava estar a cargo do processo terapêutico e era, portanto, responsável pelo seu resultado. Os erros de seu paciente assim passaram a ser os seus fracassos e a culpa veio a ser a capa, escura e pesada, para o que deveria ser a santidade de Cristo.

 

A culpa é inevitável naqueles que usam o próprio julgamento ao tomar as próprias decisões. A culpa é impossível naqueles através dos quais o Espírito Santo fala.

Fazer passar a culpa é o objetivo verdadeiro da terapia e o objetivo óbvio do perdão. Nisso a sua unicidade pode ser vista claramente. Ainda assim, quem poderia vivenciar o fim da culpa sentindo-se responsável pelo seu irmão no papel de seu guia?

 

Tal função pressupõe um conhecimento que ninguém aqui pode ter; uma certeza em relação ao passado, ao presente e ao futuro e a todos os efeitos que possam neles ocorrer. Só a partir desse ponto de vista onisciente tal função seria possível. Contudo, nenhuma percepção é onisciente e o diminuto ser de cada um, só, contra o universo, não é capaz de assumir a posse de tal sabedoria, exceto na loucura. Que muitos terapeutas são loucos é óbvio. Nenhum curador não-curado pode ser totalmente são.

 

Contudo, é tão insano não aceitar a função que Deus te deu quanto inventar uma outra que Ele não te deu. O terapeuta avançado não pode nunca, de forma alguma, duvidar do poder que está nele. E também não duvida da sua Fonte. Ele compreende que todo o poder na terra e no Céu pertence a ele devido a quem ele é. E isso que ele deve ao seu Criador, Cujo Amor está nele e não pode falhar. Pensa no que significa: ele tem as dádivas do próprio Deus para distribuir.

 

Os seus pacientes são os santos de Deus, que invocam a sua santidade para fazer com que pertença a eles. E a medida que ele dá, eles contemplam a face resplandecente do Cristo que retorna o olhar que eles lhe dão.

 

Os insanos, pensando que são Deus, não tem medo de oferecer a fraqueza ao Filho de Deus. Mas o que vêem nele por causa disso, de fato, os atemoriza. O curador não curado não pode senão ter medo de seus pacientes e suspeitar neles a traição que vê em si mesmo. Ele tenta curar, e algumas vezes pode conseguir. Mas não terá sucesso, exceto em certa medida e por pouco tempo. Ele não vê o Cristo naquele que chama. Que resposta pode dar àquele que parece ser um estranho, alheio à verdade e pobre em sabedoria, sem deus que tem de lhe ser dado? Contempla o teu Deus nele, pois o que vês será a tua Resposta.

 

Pensa no que a união de dois irmãos realmente significa. E depois esquece o mundo e todos os seus pequenos triunfos e seus sonhos de morte. Aqueles que são o mesmo são um só, e nada agora pode ser lembrado do mundo da culpa. A sala passa a ser um templo, e a rua um riacho de estrelas que passa de leve por cima de todos os sonhos doentios. A cura está realizada, pois o que é prefeito não precisa de cura, e o que resta a ser perdoado onde não há nenhum pecado?

 

Sê grato, terapeuta, por poderes ver coisas tais como essas, se apenas compreenderes o teu papel corretamente. Mas, se falhares nisso, terás negado que Deus te criou e assim não saberás que tu és Seu Filho. Quem é teu irmão agora? Que santo pode vir para levar-te para cãs com ele?  Tu perdeste o caminho. Epodes agora esperar ver nele uma resposta que tu recusaste a dar? Cura, e fica também curado. Não há nenhuma outra escolha com relação à estrada que possa conduzir à paz.

Ah, deixa o teu paciente entrar, pois ele veio a ti da parte de Deus. Não é a sua santidade suficiente para acordar em ti a memória d’Ele.

 

 

VIII – A SELEÇÃO DOS PACIENTES

 

Todos os que são enviados a ti são teus pacientes. Isso não significa que tu o seleciones, nem que escolhas que tipo de tratamento é adequado. Mas significa que ninguém vem a ti por engano. Não há erros no plano de Deus. Seria um erro, contudo, assumir que sabes o que oferecer a cada um que vem. Isso não cabe a ti decidir.

Há uma tendência a assumir que estás sendo chamado a fazer sacrifícios constantes de ti mesmo por aqueles que vêm. Isso dificilmente poderia ser verdadeiro. Exigir qualquer sacrifício de ti mesmo é exigir sacrifício de Deus e Ele nada conhece acerca de sacrifício.

 

Quem poderia pedir a Perfeição que seja imperfeita?  Quem, então, decide o que cada irmão necessita? Certamente não tu, que ainda não reconhece quem é aquele que pede. Há Algo nele que te dirá, se ouvires. E essa é a resposta: ouve. Não exijas, não decidas, não sacrifiques. Ouve. O que ouves é verdadeiro. Deus mandaria Seu Filho a ti sem estar certo de que reconheces as suas necessidades? Pensa no que Deus está te dizendo: Ele precisa da tua voz para falar por Ele. Que outra coisa poderia ser mais santa? Ou uma dádiva maior a ti? Preferirias escolher quem vai ser deus, ou ouvir a Voz d’Aquele que é Deus em Ti?

 

Os teus pacientes não precisam estar fisicamente presente para que os sirvas em Nome de Deus. Isso pode ser difícil de lembrar, mas Deus não deixará que Suas dádivas a ti sejam limitadas às poucas pessoas que, de fato, vês. Podes ver outros também, pois ver não se limita aos olhos do corpo. Alguns não precisam de tua presença física. Precisam de ti tanto, ou talvez até mais, no instante em que são mandados. Tu os reconhecerás sob qualquer forma que possa ser mais útil para ambos.

 

Não importa como vêm. Serão mandados na forma que for mais útil: um nome, um pensamento, um retrato, uma idéia, ou talvez apenas um sentimento de tocar alguém em algum lugar. A união está nas mãos do Espírito Santo. Não pode falhar na sua realização.

 

Um terapeuta santo, um professor avançado de Deus, nunca esquece uma coisa: ele não fez o currículo da salvação, nem estabeleceu a sua parte nele. Compreende que a sua parte é necessária ao todo, e que através dela ele reconhecerá o todo quando a sua parte estiver completa. Por enquanto, ele tem que aprender, e seus pacientes são os meios que lhe são enviados para esse aprendizado.

 

O que poderia ele ser, senão grato por eles e para com eles? Eles vêm trazendo Deus. Recusaria ele essa Dádiva por uma pedrinha, ou fecharia a porta ao Salvador do mundo para deixar entrar um fantasma? Que ele não traia o Filho de Deus. Aquele que o chama está muito além da sua compreensão. Contudo, não se regozijaria ele por poder responder, se só assim será capaz de ouvir o chamado e compreender que é o seu próprio?

 

IX – A PSICOTERAPIA É UMA PROFISSÃO?

 

Estritamente falando, a resposta é não. Como poderia uma profissão separada ser aquela na qual todos estão engajados? E como poder-se-ia colocar limite numa intensão na qual cada um é tanto paciente quanto terapeuta em todos os relacionamentos nos quais entra? Contudo, falando em termos práticos, ainda pode ser dito que existem aqueles que se devotam primariamente à procura de uma forma ou de outra como sua função principal. E é para ele que um grande número de pessoas se volta em buscas de ajuda. Isso, com efeito, é a prática da terapia. Esses são, portanto, curadores ‘oficialmente’. São devotos à certos tipos de necessidades em suas atividades profissionais, apesar de poderem ser professores muito mais capazes fora delas. Essas pessoas não precisam de regras especiais, é claro, mas podem ser chamadas a usar aplicações dos princípios gerais da cura.

 

Em primeiro lugar, o terapeuta profissional está numa posição excelente para demonstrar que não há nenhuma hierarquia de dificuldades na cura. Para isso, contudo, ele precisa de um treinamento especial, porque o currículo pelo qual veio a ser um terapeuta provavelmente ensinou-lhe pouco ou nada sobre os princípios reais da cura. De fato, provavelmente ensinou-lhe como fazer com que a cura seja impossível. A maior parte dos ensinamentos do mundo segue um currículo sobre o julgamento, com o objetivo de fazer do terapeuta um juiz.

 

Até isso o Espírito Santo pode usar, e usará, se Lhe for feito o menor convite. O curador não-curado pode ser arrogante, egoísta, descuidado e mesmo desonesto. Ele pode não estar interessado na cura como sua meta principal. Contudo, alguma coisa aconteceu a ele, por mais leve que tenha sido, quando escolheu ser um curador, por mais equivocada que seja a direção que possa ter escolhido.

 

Essa ‘alguma coisa’ é suficiente. Mais cedo ou mais tarde essa ‘alguma coisa’ vai surgir e crescer; um paciente tocará o seu coração e o terapeuta lhe pedirá ajuda silenciosamente. Ele próprio achou um terapeuta. Pediu ao Espírito Santo que entre no relacionamento e o cure. Aceitou a Expiação para si mesmo.

 

Diz-se que Deus olhou para tudo o que havia criado e proclamou que era bom. Não, Ele declarou tudo perfeito, e assim era. E como as Suas criações não mudam e duram para sempre, assim é agora.

No entanto, nem um terapeuta perfeito nem um paciente perfeito podem existir. Ambos não podem deixar de ter negado a sua perfeição, pois a sua própria necessidade um do outro implica num senso de falta. Um relacionamento de pessoa para pessoa não é Um Relacionamento. Contudo é o meio de retornar; o caminho que Deus escolheu para o retorno de Seu Filho. Nesse estranho sonho uma estranha correção tem que entrar, pois só isso é o chamado para o despertar.

 

E o que mais deveria ser a terapia? Acorda e fica contente, pois todos os teus pecados foram perdoados. Essa é a única mensagem que quaisquer duas pessoas jamais deveriam dar uma à outra.

 

Alguma coisa boa tem que vir de todos os encontros de pacientes e terapeuta. E essa coisa boa é guardada para ambos, para o dia em que possam reconhecer que só isso era real em seu relacionamento. Naquele momento o que é bom é devolvido a eles, abençoado pelo Espírito Santo como uma dádiva de seu Criador, como sinal de Seu Amor. Pois o relacionamento terapêutico tem que vir a ser como o relacionamento do Pai e do Filho. Não há nenhum outro, pois não há nada mais. Os terapeutas desse mundo não esperam esse resultado, e muitos de seus pacientes não seriam capazes de aceitar a sua ajuda se o esperassem. Contudo, nenhum terapeuta realmente determina a meta dos relacionamentos dos quais  faz parte. A sua compreensão começa reconhecendo isso, e depois segue adiante a partir daí.

 

É no instante que o terapeuta esquece de julgar o paciente que a cura ocorre. Em alguns relacionamentos esse ponto nunca é atingido, apesar de que tanto o paciente quanto o terapeuta possam ter mudado seus sonhos no processo. No entanto, não será o mesmo sonho para ambos, e assim não é o sonho do perdão no qual ambos algum dia irão despertar. O que é bom é guardado; de fato, é valorizado. Mas apenas se ganhou um pouco de tempo. Os novos sonhos irão perder o seu apelo temporário e virão a ser sonhos de medo, que é o conteúdo de todos os sonhos.

 

Todavia, nenhum paciente pode aceitar mais do que está pronto para receber, e nenhum terapeuta pode oferecer mais do que acredita que tem. E assim há lugar para todos os relacionamentos nesse mundo, e eles trarão tanto bem quanto cada um puder aceitar e usar.

 

Contudo, quando o julgamento cessa acontece a cura porque só então pode ser compreendido que não há nenhuma hierarquia de dificuldades na cura. Essa é uma compreensão necessária para o curador curado. Ele aprendeu que não é mais difícil despertar um irmão de um sonho do que outro. Nenhum terapeuta profissional pode manter essa compreensão em sua mente de modo consistente, oferecendo-a a todos os que vêm a ele.

 

Há alguns nesse mundo que chegaram muito perto, mas não aceitaram a dádiva inteiramente para ficar e deixar que sua compreensão permanecesse sobre a terra até o fim dos tempos. Dificilmente poderiam ser chamados de terapeutas profissionais.

Eles são os Santos de Deus. Eles são os Salvadores do mundo. A sua imagem permanece porque escolheram que seja assim. Eles tomam o lugar de outras imagens e ajudam com sonhos benignos.

 

Uma vez que o terapeuta profissional tenha compreendido que as mentes são unidas, ele também pode reconhecer que a existência de uma hierarquia de dificuldades na cura é sem significado. Contudo, muitos instantes santos podem ser seus ao longo do caminho. Uma meta marca o fim de uma jornada, não o começo, e a medida que cada meta é atingida outra pode ser vagamente vista na sua frente. Muitos terapeutas profissionais ainda estão bem no começo do estágio inicial da primeira jornada. Mesmo aqueles que começaram a compreender o que têm que fazer ainda podem se opor a dar a partida.

 

Todavia, todas as leis da cura podem pertencer a eles em apenas um instante. A jornada não é longa exceto em sonhos.

 

O terapeuta profissional tem uma vantagem que pode economizar muito tempo se for usada de forma apropriada. Ele escolheu uma estrada na qual há grande tentação de usar o seu papel equivocadamente. Isso o capacita a passar por muitos obstáculos à paz bem rapidamente, se ele escapar à tentação de assumir uma função que não foi lhe dada. Pra compreender que não há nenhuma hierarquia das dificuldades na cura, ele também tem que reconhecer a igualdade entre ele mesmo e o paciente.

 

Não há nenhum meio termo nisso. Ou eles são iguais ou não. As tentativas dos terapeutas de barganhar a esse respeito são, de fato, estranhas. Alguns utilizam o relacionamento meramente para colecionar corpos que os adorem no seu santuário, e isso eles consideram que seja cura. Muitos pacientes também consideram esse estranho procedimento como salvação. Contudo, a cada encontro há Alguém que diz:

“Meu irmão, escolhe outra vez”.

 

Não te esqueças que qualquer forma de especialismo tem que ser defendida e o será. O terapeuta sem defesas tem a força de Deus consigo, mas o terapeuta defensivo perdeu de vista a Fonte de sua salvação. Ele não vê e ele não ouve. Como, então pode ele ensinar? Porque é Vontade de Deus que seu paciente seja ajudado a se unir a ele ali. Porque a sua incapacidade de ver e ouvir não limita o Espírito Santo de forma alguma. Exceto no tempo. No tempo pode haver um grande intervalo entre o oferecimento e a aceitação da cura.

 

Esse é o véu que cobre a face do Cristo. Contudo, ele não pode deixar de ser uma ilusão porque o tempo não existe e a Vontade de Deus sempre foi exatamente como é.

 

 

X – A QUESTÃO DO PAGAMENTO

 

Ninguém pode pagar pela terapia, pois é a cura de Deus e Ele não pede nada. Contudo, é parte de Seu Plano que tudo no mundo seja usado pelo Espírito Santo para realizar o plano. Mesmo um terapeuta avançado tem algumas necessidades terrenas enquanto está aqui. Se ele tiver necessidade de dinheiro, ele lhe será dado, não em pagamento, mas para ajudá-lo a servir melhor ao plano.

O dinheiro não é um mal. Não é nada. Mas ninguém aqui pode viver sem qualquer ilusão, pois ele ainda tem que lutar para fazer com que a última ilusão seja aceita por todos em todos os lugares.

 

Ele tem uma parte importante nesse propósito único, pelo qual ele veio. Ele fica aqui só para isso. Enquanto ele fica lhe será dado o que necessita para ficar.

Só um curador não curado tentaria curar por dinheiro, e não terá sucesso na medida que o valorizar. E também não achará a própria cura no processo.

 

Haverá alguns dos quais o Espírito Santo pede algum pagamento pelo Seu propósito.

 

Haverá alguns dos quais Ele não pede. Não deve ser o terapeuta aquele que toma essas decisões. Há uma diferença entre o pagamento e custo. Dar dinheiro onde o palno de Deus o destina, não tem custo. Negá-lo onde ele pertence por direito tem um custo enorme. O terapeuta que quer fazer isso perde o nome de curador, pois jamais poderia compreender o que é a cura. Ele não pode dá-la, e assim não a tem.

 

Os terapeutas desse mundo são, de fato, inúteis para a salvação do mundo. Eles fazem exigências, e assim não podem dar. Os pacientes só podem pagar pela troca de ilusões. Isso, de fato, tem que exigir pagamento e o custo é grande.

 

Um relacionamento ‘comprado’ não pode oferecer a única dádiva através da qual toda a cura é realizada. O perdão, o único sonho do Espírito Santo, não pode ter nenhum custo. Pois se tiver, apenas crucifica o Filho de Deus mais uma vez. Pode ser dessa forma que ele é perdoado? Pode ser dessa forma que o sonho do pecado vai terminar?

 

O direito de viver é algo pelo qual ninguém precisa lutar. Isso lhe é prometido e garantido por Deus. Portanto, é um direito que tanto o terapeuta quanto o paciente compartilham igualmente. Se seu relacionamento vai ser santo, tudo o que um necessite é dado pelo outro; seja o que for que falte a um, o outro supre. Nisso o relacionamento se faz santo, pois nisso ambos são curados. O terapeuta paga ao paciente em gratidão, assim como o paciente lhe paga. Não há nenhum custo para ambos. Mas agradecimentos são devidos a ambos pela liberação de um longo aprisionamento e de uma longa dúvida. Quem não seria grato por uma dádiva como essa? Todavia, quem poderia jamais imaginar que ela poderia ser comprada?

 

Foi bem dito que aquele que tem lhe será acrescentado. Porque ele tem, ele pode dar. E porque ele dá, lhe será dado. Essa é a lei de deus, e não do mundo. E assim é com os curadores de Deus. Eles dão porque ouvirão o Seu Verbo e o compreenderam. Tudo o que necessitam será, portanto, dado a eles. Mas perderão essa compreensão ao menos que se lembrem que tudo o que têm vem só de Deus. Se acreditam que precisam de qualquer coisa de um irmão, não reconhecerão mais nele um irmão. E se fazem isso, uma luz se apaga mesmo no Céu. Onde um Filho de Deus se volta contra si mesmo, ele pode olhar para escuridão. Ele próprio negou a luz e não pode ver.

 

Uma regra deve ser observada: ninguém deve ser mandado embora por não poder pagar. Ninguém é mandado por acidente a qualquer pessoa. Os relacionamentos têm sempre um propósito.

Seja qual for o propósito que possam ter tido antes que o Espírito Santo entrasse, eles são sempre o Seu templo em potencial, o lugar de descanso do Cristo e a casa do próprio Deus. Seja quem for que venha, foi enviado.

Talvez tenha sido enviado para dar ao seu irmão o dinheiro que ele precisava, Ambos serão abençoados através disso. Talvez ele tenha sido enviado para ensinar ao terapeuta o quanto ele precisa do perdão e quão sem valor é o dinheiro em comparação a isso. Mais uma vez, ambos serão abençoados.

 

Só em termos de custo qualquer um do dois poderia ter que pagar mais. No compartilhar, todos têm que ganhar uma benção gratuita.

Essa perspectiva do pagamento pode parecer pouco prática, e aos olhos do mundo é assim. Contudo, nenhum dos pensamentos do mundo é realmente prático. Quanto de ganha por lutar por ilusões? Quanto se perde por jogar Deus fora? E é possível fazer isso? Com certeza não é prático lutar por nada e tentar fazer o que é impossível. Então, pára um pouco, o suficiente para pensar nisso: talvez tenha estado buscando a salvação sem reconhecer para onde olhar. Quem quer que peça a tua ajuda pode te mostrar isso. Que dádiva maior do que essa te poderia ser dada? Que outra dádiva existe que tu queiras dar?

 

Médico, curador, terapeuta, professor, cura a ti mesmo.

Muitos virão a ti carregando a dádiva da cura, se tu assim escolheres. O Espírito Santo nunca recusa um convite para entrar e habitar contigo. Ele te dará infindáveis oportunidades para abrir a porta para a tua própria salvação, pois essa é a Sua função.

Ele também te dirá exatamente qual é a tua função em cada circunstância e em todos os momentos. Quem quer que Ele te envie te alcançará, estendendo a mão para o seu Amigo. Deixa que o Cristo em ti te dê as boas vindas, pois o mesmo Cristo está nele também.

 

Nega a ele a entrada e terás negado o Cristo em ti. Lembra-te da triste história do mundo e das boas novas da salvação. Lembra-te  do plano de Deus para a restauração da alegria e da paz. E não te esqueças de como são simples os caminho de Deus:

 

“ Tu estavas perdido na escuridão do mundo até que pediste a luz. E Então Deus enviou o Seu Filho para dá-la a ti.”

 

 

ORAÇÃO – Introdução

 

A Oração é a maior dádiva com a qual Deus abençoou Seu Filho na sua criação. Já era então o que deve vir a ser: a única voz que o Criador e a criação compartilham; a canção que o filho canta ao Pai, Que retorna os agradecimentos que ela Lhe oferece ao Filho.

 

A harmonia é sem fim assim como também é sem fim o alegre acordo do amor que eles dão um ao outro para sempre. E nisso a criação é estendida. Deus agradece à sua criação na canção que ele cria em Nome de seu Pai. O amor que eles compartilham é o que todas as orações virão a ser através de toda a eternidade, quando o tempo tiver terminado. Pois tal ela era antes que o tempo parecesse existir.

 

Para ti que estás no tempo por pouco tempo, a oração toma forma que mais se adapta às suas necessidades. Tu só tens uma. O que Deus criou uno tem que reconhecer a própria unicidade e regozijar-se, pois o que as ilusões pareciam separar é uno para sempre na mente de Deus.

 

A Oração agora tem que ser o meio pelo qual o Filho de Deus deixa para trás as metas e os interesses separados e se volta em santo contentamento para a verdade da união em seu Pai e nele mesmo.

 

Deita teus sonhos por terra, tu Filho santo de Deus, e erguendo-te como Deus te criou, dispensa os ídolos e lembra-te d’Ele. A oração irá sustentar-te agora e abençoar-te enquanto ergues o teu coração para Ele nessa canção ascendente que alcança o que é mais alto, e depois mais alto ainda, até que ambos o alto e o baixo tenham desaparecido.

 

A fé na tua meta crescerá e manter-se-á no alto enquanto ascendes na escada cintilante para os gramados do Céu e o portão da paz. Pois isso é oração e aqui está a salvação. Esse é o caminho. È a dádiva de Deus para ti.

 

 

I – A Oração Verdadeira

 

A oração é o caminho que nos é oferecido pelo Espírito Santo para chegarmos a Deus. Não é meramente uma pergunta ou uma súplica. Não pode ter sucesso até que compreendas que ela nada pede. De que outra forma poderia servir ao seu propósito? É impossível orar por ídolos e esperar chegar a Deus.

 

A verdadeira oração tem que evitar a armadilha de pedir para suplicar favores. Pede, em vez disso, para receber o que já foi dado, para aceitar o que já está presente.

 

Foi dito a ti que peças ao Espírito Santo a resposta para qualquer problema específico, e receberá uma resposta específica se tal for a tua necessidade. Também te foi dito que existe apenas um problema e uma resposta. Na oração, isso não é contraditório, Há decisões a serem tomadas aqui, e elas têm que ser tomadas caso sejam ilusões ou não. Não pode ser pedido a ti que aceites respostas que estão além do nível da necessidade que podes reconhecer.

 

Portanto, não é uma forma da pergunta que importa, nem como é feita. A forma da resposta, se dada por Deus, se adequará a tua necessidade tal como a vês. Isso é apenas um eco da resposta da Sua Voz. O som real é sempre uma canção de agradecimento e de amor.

 

Não podes, portanto, pedir o eco. È a canção que é a dádiva. Junto com ela vêm os tons maiores, as harmonias, os ecos, mas esses são secundários. Na oração verdadeira, tu ouves apenas a canção. Todo o resto é meramente acrescentado. Buscas-te em primeiro lugar o Reino do Céu e tudo o mais, de fato, te foi dado.

 

O segrego da oração verdadeira é esquecer das coisas que pensas que precisas. Pedir o que é específico é quase a mesma coisa que olhar para o pecado, e depois perdoá-lo. Da mesma forma, na oração passas por cima das tuas necessidades específicas tal como as vê e entrega-as nas Mãos de Deus. Lá elas passam a ser as tuas dádivas a Ele, pois Lhe dizem que não queres ter outros deuses diante Dele, nenhum Amor a não se o d’Ele. O que poderia ser a Sua resposta exceto que te lembras d’Ele? Isso pode ser negociado a favor de um conselho sem importância sobre um problema que tem a duração de um instante? Deus só responde a favor da eternidade. Mas, ainda assim todas as pequenas respostas estão contidas nisso.

 

Orar é dar um passo ao lado, soltar as coisas e passar um tempo em quietude no qual se ouve e se ama. Não deve ser confundida com qualquer tipo de suplica porque é um meio de lembrar-se da tua santidade.

Porque deveria a santidade suplicar se tem direito pleno a tudo o que o amor tem a oferecer?

 

E é para o Amor que vais na oração. A oração é uma oferta, um abandono de ti mesmo para seres um com o Amor. Não há nada a ser pedido, pois não há nada mais que possas querer. Esse nada vem a ser o altar de Deus. Ele desaparece n’Ele.

 

Esse não é um nível de oração que todos já possam alcançar. Aqueles que não alcançaram ainda precisam da tua ajuda na oração porque o que pedem ainda não está baseado na aceitação.

 

Ajuda na oração não significa que um outro passe a ser o mediador entre Deus e tu. Mas, de fato, significa que um outro está ao teu lado e te ajuda a erguer-te até Ele. Aquele que compreendeu a bondade de Deus ora sem medo. E aquele que ora sem medo não pode deixar de chegar até Ele. Ele pode, portanto, chegar também ao seu Filho, onde quer que ele esteja e seja qual for a forma que ele pareça tomar.

 

Orar para o Cristo em qualquer um é oração verdadeira porque é uma dádiva de gratidão para Seu Pai. Pedir que Cristo seja apenas o que Ele é não é uma súplica. É uma canção de ação de graças pelo que tu és. Aqui está o poder da oração.

Não pede nada e recebe tudo.

 

Essa oração pode ser compartilhada porque ela recebe de todas as pessoas. Orar com alguém que sabe que isso é verdade é ser respondido.

Talvez a forma específica de resolução para um problema específico ocorra para qualquer um dos dois, não importa qual. Talvez chegue para os dois se vós estiverdes genuinamente afinados um com o outro. Virá porque terão compreendido que Cristo está em ambos os dois.

Essa é a única verdade nisso.

 

II - A Escada da Oração

 

A oração não tem começo nem fim. É uma parte da vida. Mas ela, de fato, muda em sua forma e cresce com o aprendizado até atingir o seu estado além da forma e se fundir na total comunicação com Deus. Na sua forma suplicante ela não precisa fazer e muitas vezes não faz nenhum apelo a Deus, nem envolve qualquer crença n’Ele. Nesses níveis a oração é meramente um querer nascido do senso de escassez e falta.

 

Essas formas de oração, ou pedidos nascidos da necessidade, sempre envolvem sentimentos de fraqueza e inadequação e nunca poderiam ser feitos por um filho de Deus que sabe Quem ele é. Portanto, ninguém que esteja certo da sua Identidade poderia orar dessa maneira. E a oração é tão contínua quanto a vida. Todas as pessoas oram sem cessar. Pede e terás recebido, pois terás estabelecido o que é que tu queres.

 

Também é possível atingir uma forma mais elevada de pedir-por-necessidade, pois nesse mundo a oração é reparadora e conseqüentemente níveis de aprendizado não podem deixar de existir. Aqui o pedido pode ser endereçado a Deus e podemos acreditar nisso com honestidade, apesar de ainda não termos a compreensão.

 

Um senso vago e usualmente instável de identificação foi atingido, mas tende a ser obscurecido por um senso de pecado profundamente enraizado. Nesse nível é possível continuarmos a pedir coisas desse mundo sob várias formas, e também é possível pedir dádivas tais como a honestidade ou a bondade e particularmente o perdão para muitas fontes de culpa que inevitavelmente são a base subjacente de qualquer oração feita por necessidade. Sem culpa não há escassez. Aqueles que não tem pecado não têm necessidades.

 

Nesse nível encontra-se também aquela curiosa contradição em termos conhecida como “orar pelos seus inimigos”.A contradição não está nas palavras em si mesmas, está na forma como são usualmente interpretadas. Enquanto acreditares que tens inimigos, terás limitado a oração às leis desse mundo e terás também limitado a tua capacidade de receber e de aceitar às mesmas margens estreitas. E, no entanto, se tens inimigos tens necessidade de oração, de fato, grande necessidade.

 

O que essa frase realmente significa?

Ora por ti mesmo para que possas não mais buscar aprisionar o Cristo e através disso perder o reconhecimento da tua própria Identidade. Não sejas um traidor para ninguém ou terás sido traiçoeiro par contigo mesmo.

 

Um inimigo é o símbolo de um Cristo aprisionado. E quem poderia ser Ele senão o teu próprio ser?

Assim sendo, orar pelos seus inimigos vem a ser uma oração pela tua própria liberdade. Agora já não é uma contradição em termos. Isso veio a ser uma a firmação da unidade de Cristo e um reconhecimento da Sua impecabilidade. E agora a oração passou a ser santa, pois reconhece o Filho de Deus assim como ele foi criado.

 

Não te deixes jamais esquecer que a oração em qualquer nível é sempre por ti mesmo. Se te unes a qualquer um em oração, fazes com que ele seja parte de ti. O inimigo és tu, assim como o Cristo. Portanto, antes que possa a vir a ser santa, a oração passa a ser uma escolha. Tu não escolhes por nenhum outro. Podes apenas escolher por ti mesmo. Ora verdadeiramente pelos seus inimigos, pois nisso está a tua salvação. Perdoa-os pelos teus pecados e, de fato, serás perdoado.

 

A oração é uma escada que chega até o Céu. No topo há uma transformação que se parece muito com a tua, pois a oração é parte de ti. As coisas da terra são deixadas para trás e não são mais lembradas. Não se pede nada, pois nada está faltando. A Identidade em Cristo é plenamente reconhecida, está definida para sempre, além de qualquer mudança e incorruptível. A luz não mais vacila e nunca se apagará.

 

Agora, sem qualquer tipo de necessidade e moldada para sempre na pura impecabilidade que é a dádiva de Deus para ti, Sei Filho, a oração pode mais uma vez vir a ser aquilo que deve ser. Pois agora ela se ergue como uma canção de agradecimento ao teu Criador, que é cantada sem palavras, ou pensamentos, ou desejos vãos, agora absolutamente sem quaisquer necessidades.

 

Assim ela se estende, como deve fazer. E por essa dádiva o próprio Deus dá graças.

 

Deus é a meta de todas as orações, dando-lhes intemporalidade ao invés de um fim. Elas também não têm início porque a meta nunca foi mudada. A oração em suas formas iniciantes é uma ilusão porque não há necessidade de uma escada para chegar àquilo que nunca se deixou. Contudo, a oração é uma parte do perdão enquanto o perdão, ele mesmo uma ilusão, continua sem ser atingido.

 

A oração está ligada ao aprendizado até que a meta do aprendizado tenha sido alcançada. Então, todas as coisas terão sido transformadas juntas e devolvidas sem manchas à Mente de Deus. Estando além do aprendizado, esse estudo não pode ser descrito. No entanto, os estádios necessários para que isso seja atingido precisam ser compreendidos, se é que a paz vai ser restaurada para o Filho de Deus, que agora vive com a ilusão da morte e o medo de Deus.

 

III – Orar pelos Outros


Nós dissemos que a oração é sempre por ti mesmo, e isso é assim. Porque, então, deverias orar pelos outros seja qual for a razão? E se devesses, como deverias fazê-lo?

Orar pelos outros, se corretamente compreendido, vem a ser um meio de retirar as tuas projeções de culpa de cima do teu irmão capacitando-te a reconhecer que não é ele que te está ferindo.

O sentimento venenoso que te diz que ele é o teu inimigo, a tua contraparte má, o teu castigo merecido tem que ser abandonado antes que tu possas ser salvo da culpa. Para isso o meio é a oração, com poder crescente e metas ascendentes, até que ela chegue até mesmo a Deus.

 

As formas iniciais da oração nos primeiros degraus da escada não estarão livres da inveja e da malícia. Elas clamam por vingança, e não por amor. Também não vêm de alguém que compreende que são apelos para a morte causados pelo medo, feitos por aqueles que valorizam a culpa. Elas clamam por um deus vingador, e é ele que parece responder-lhes. Não é possível que aquele que pede o inferno para um outro possa ele mesmo escapar do próprio pedido, Só aqueles que estão no inferno podem pedir o inferno para um outro. Aqueles que foram perdoados, e que aceitaram o próprio perdão nunca poderiam fazer uma oração como essa.

 

Nesses níveis, então, a meta do aprendizado tem que ser o reconhecimento de que a oração trará uma resposta apenas na forma na qual ela foi feita. Isso é suficiente. Daqui para frente será fácil subir os degraus para os próximos níveis. A subida que se segue começa com isso:

 

“O que pedi para o meu irmão, não é o que quero para mim. Assim fiz dele meu inimigo”.

 

Está claro que esse degrau não pode ser atingido por qualquer pessoa que não veja nenhum valor ou vantagem para si mesmo em libertar os outros. Isso pode ser adiado por muito tempo porque pode parecer ser perigoso em vez de misericordioso.

Para os culpados, de fato, parece haver uma vantagem real em ter inimigos, e o que se imagina que se ganha com isso tem que ser abandonado, se é que os inimigos vão ser libertados.

 

É preciso desistir da culpa e não escondê-la. Isso também não pode ser feito sem alguma dor, e um vislumbre da natureza misericordiosa desse passo pode, por algum tempo, ser seguido por uma fuga profunda para o medo. Pois as defesas do medo são aterradoras em si mesmas e, quando reconhecidas, trazem o medo com elas. E que vantagem uma ilusão de escapar jamais trouxe a um prisioneiro? Ele só pode escapar realmente da culpa reconhecendo que a culpa se foi.

 

E como é possível que ela reconheça isso enquanto estiver escondendo-a em uma outra pessoa, ser capaz de ver que ela lhe é própria?

 

O medo de escapar faz com que seja difícil dar boas vindas à liberdade, e a segurança parece estar em fazer de um inimigo um carcereiro.

Como pode ser liberado sem que sintas um medo insano por ti mesmo?

Tu fizeste dele a tua salvação e o teu escapar da culpa. O teu investimento nessa escapada é pesado e o teu medo de desistir disso é grande.

 

Fica quieto um instante, agora, e pensa no que fizeste. Não esqueças que foste tu que fizeste tudo isso, portanto, tu és aquele que pode deixar que tudo desapareça.

Estende a tua mão.

Esse inimigo veio para abençoar-te. Aceita a sua benção, e sente como o teu coração é erguido, e o teu medo libertado. Não te apegues ao medo, nem a ele. Ele é um Filho de Deus, junto contigo. Ele não é carcereiro, mas um mensageiro de Cristo. Sê isto mesmo para com ele de modo que possas vê-lo assim.

 

Não é fácil reconhecer que orações por coisas, por status, por amor humano, por “dádivas” externas de qualquer tipo são sempre feitas para instituir carcereiros e esconder-te da culpa. Essas coisas são utilizadas como substitutos para Deus e, portanto, distorcem o propósito da oração. O desejo por essas coisas é a oração.

 

Não é preciso pedir explicitamente. A meta de Deus se perde na busca de metas menores de qualquer tipo, e a oração vem a ser um meio de requisitar inimigos. O poder da oração pode ser reconhecido bem claramente mesmo nisso.

Ninguém que queira um inimigo deixará de encontrá-lo. Mas, com essa certeza, ele perderá a única meta verdadeira que lhe é dada. Pensa no custo, e compreende-o bem. Todas as outras metas são obtidas às custas de Deus.

 

 

IV – Orar com os Outros


Até que o segundo nível, pelo menos, se tenha iniciado, não é possível que a oração seja compartilhada. Até esse ponto cada um não pode deixar de pedir coisas diferentes. Contudo, uma vez que a necessidade de manter o outro como inimigo tenha sido questionada, e a razão para fazê-lo tenha sido reconhecida, mesmo que seja por apenas um instante, unir-se em oração passa a ser possível.

 

Inimigos não compartilham a mesma meta. É nisso que a sua inimizade é mantida. Os seus desejos separados são os seus arsenais, suas fortalezas de ódio.

A chave para que se avance mais ainda na oração está nesse simples pensamento, nessa mudança da mente:

 

“Nós vamos juntos, eu e tu”.

 

Agora é possível ajudar em oração, assim sendo, procura tu mesmo chegar até lá. Nesse degrau começa a subida mais rápida, mas ainda existem muitas lições para serem aprendidas.

O caminho está aberto e a esperança se justifica. No entanto, é provável que no início aquilo que é pedido, mesmo por aqueles que se unem em oração, não seja a meta que a oração deveria buscar verdadeiramente.

 

Mesmo juntos, vós podeis pedir coisas e assim construir apenas a ilusão de uma meta que compartilhais. Podeis pedir algo específico e não dar-vos conta de que estais pedindo efeitos sem uma causa. E isso não podeis ter. Ninguém pode receber apenas os efeitos, pedindo a uma causa da qual eles não podem vir, que os ofereça a si mesmo.

 

Mesmo a união, portanto, não é suficiente se aqueles que oram juntos não pedirem, acima de tudo, aquilo que é a Vontade de Deus. Só dessa Causa é possível vir à resposta na qual todas as necessidades específicas são satisfeitas, todos os desejos separados unificados em um só.

 

Orar por coisas específicas sempre implica em pedir que o passado se repita de alguma forma. O que foi agradável antes ou pareceu ser; o que era de um outro e ele parecia amar, tudo isso são apenas ilusões do passado. A finalidade da oração é liberar o presente das suas cadeias de ilusões passadas; deixar que ele seja um remédio livremente escolhido para cada escolha que simbolizou um equívoco.

 

O que a oração pode te oferecer agora excede tanto tudo o que pediste antes, que é uma pena que te contentes com menos.

 

Escolheste uma chance que acaba de nascer a cada vez que oras. Acaso quererias sufocá-la e aprisioná-la em antigas prisões, se tens a chance de liberar a ti mesmo de todas elas imediatamente?

Não restrinja o teu pedido. A oração pode trazer a paz de Deus

 

Que coisa presa no tempo pode dar-te mais do que isso no pequeno espaço que dura antes de sucumbir no pó?

 

 

V – A Escada Termina


A Oração é um caminho para a verdadeira humildade. E aqui outra vez ela sobe lentamente e cresce em força e amor e santidade. Permita que ela apenas deixe o chão onde começa a se erguer para Deus, e a verdadeira humildade virá finalmente banhar de graças a mente que pensava estar sozinha e se bater contra o mundo.

A humildade traz paz porque não clama que tu tens que governar sozinho o universo, nem julgar todas as coisas como queres que sejam. Todos os pequenos deuses ela deixa de lado com contentamento, não ressentida, mas com honestidade e o reconhecimento de que eles não servem. As ilusões e a humildade têm metas tão afastadas que não podem coexistir, nem compartilhar uma morada na qual possam se encontrar. Se uma vem, a outra desaparece.

 

Os verdadeiramente humildes não têm nenhuma meta a não ser Deus porque não tem necessidade de ídolos, e as defesas já não servem mais a qualquer propósito. Os inimigos agora são inúteis porque a humildade não se opõe a nada. Ela não se esconde com vergonha porque está contente com o que é, tendo o conhecimento de que a criação é a Vontade de Deus. Como já não são o próprio ser passam a SER, e isso vêem em todos os encontros nos quais se unem em contentamento com cada Filho de Deus, reconhecendo que compartilham a sua pureza.

 

Agora a oração se ergue do mundo das coisas, dos corpos e de todos os tipos de deuses, e tu podes finalmente descansar em santidade. A humildade veio para te ajudar a compreender a tua glória como Filho de Deus e reconhecer a arrogância do pecado. Um sonho encobriu a face de Cristo para ti. Agora podes olhar para a Sua impecabilidade. A escada subiu muito alto. Tu vieste quase até o Céu.  Há pouco mais a ser aprendido antes da jornada se completar. Agora podes dizer a todos aqueles que vêm para se unir a ti em oração:

 

“Eu não posso ir sem ti, pois és uma parte de mim”.

 

E assim ele é na verdade. Agora podes orar só por aquilo que verdadeiramente compartilhas com ele. Pois compreendeste que ele nunca partiu e tu, que parecias sozinho, és um com ele.

 

A escada termina com isso, pois o aprendizado já não é mais necessário. Agora estás diante do portão do Céu, e lá teu irmão está a seu lado. O gramado é profundo e quieto, pois é aqui o lugar marcado para o momento em que deverias vir, e ele esperou por ti durante muito tempo. Aqui o tempo acabará para sempre. Neste portão a própria eternidade se unirá a ti.

A oração veio a ser o que deveria ser, pois reconheceste o Cristo em ti.

 

PERDÃO

 

Introdução –


O perdão oferece asas à oração para fazer com que a sua ascensão seja fácil e o seu progresso rápido. Sem o seu forte apoio seria vão tentar subir de qualquer forma que fosse. O perdão é o aliado da oração; irmão no plano da salvação. Ambos têm que vir para erguer-te e manter os teus pés seguros e o teu propósito inabalável e imutável. Contempla a maior ajuda que Deus ordenou que ficasse contigo até O alcançares.

 

O fim das ilusões virá com isso.

 

Sem a natureza intemporal da sua irmã oração, o perdão tem um fim. Ele passa a ser desnecessário quando a subida foi realizada. No entanto, agora ele tem um propósito além do qual não podes ir, nem tens qualquer necessidade de ir. Realiza isso, e terás sido redimido. Realiza isso, e terás sido transformado. Realiza isso, e terás salvo o mundo.

 

I – Perdoar a Ti Mesmo.

 

Nenhuma dádiva do Céu foi mais mal interpretada do que o perdão. Ele, de fato, virou um flagelo, uma praga onde deveria abençoar, uma zombaria cruel da graça, uma paródia da paz santa de Deus. No entanto, aqueles que ainda não escolheram começar a subir os degraus da oração não podem deixar de usá-los assim.

 

A benignidade do perdão é obscurecida a princípio porque a salvação não é compreendida nem verdadeiramente buscada. O que deveria curar é usado para ferir porque o perdão não é querido. A culpa passa a ser salvação e o remédio para ela parece ser uma alternativa terrível para a vida.

 

O perdão para destruir será, portanto, muito mais adequado ao propósito do mundo do que seu verdadeiro objetivo, e os meios honestos através dos quais essa meta é atingida. O perdão para destruir não deixará de ver pecado algum, crime algum, culpa alguma que ele possa buscar, achar e ‘amar’. O erro é caro para seu coração e os equívocos aparecem com grandiosidade, crescem, e incham à sua vista. Ele escolhe cuidadosamente todas as coisas ruins e ignora as amorosas como se fossem uma praga, uma coisa odiosa feita de perigo e morte.

 

O perdão para destruir é morte e isso ele vê em tudo que olha e odeia. A misericórdia de Deus veio a ser uma faca torta que destruir o Filho santo que Ele ama.

 

Perdoarias a ti mesmo por fazer isso? Aprende, então, que Deus te deu o meio pelo qual podes retornar a Ele em paz.

 

Não vejas erros. Não os torne reais. Seleciona o que é amoroso e perdoa o pecado escolhendo em seu lugar a face de Cristo. De que outra forma pode a oração retornar a Deus? Ele ama Seu Filho.

 

Podes lembrar-te Dele e odiar o que Ele criou?

Odiarás o seu Pai se odeias o Filho que Ele ama. Pois assim como vês o Filho vês a ti mesmo, e assim como vês a ti mesmo assim é Deus para ti.

 

Uma oração é sempre por ti mesmo, assim como o perdão é sempre dado a ti. É impossível perdoar a um outro, pois são apenas os teus pecados que vês nele. Queres vê-lo lá e não em ti mesmo. É por isso que o perdão de um outro é uma ilusão. No entanto, é o único sonho feliz em todo mundo, o único que não conduz à morte. Só em um outro podes perdoas a ti mesmo, pois o tornaste culpado pelos teus pecados e nele tens que encontrar a tua inocência agora. Quem a não ser os pecadores precisam ser perdoados?

E nunca penses que podes ver pecado em qualquer um exceto em ti mesmo.

 

Esse é o grande engano do mundo, e tu és o grande enganador de Tim mesmo. Sempre que parece que o outro é quem é mau e tu és aquele que é machucado pelos seus pecados.

Como seria possível a liberdade se isso fosse assim?

Tu serias escravo de todos, pois o que ele faz acarreta o teu destino, os teus sentimentos, o teu desespero ou esperança, a tua miséria ou alegria.

 

Tu não tens nenhuma liberdade a menos que ele a dê a ti. E sendo mau, ele pode apenas dar o que é. Não podes ver os seus pecados sem ver os teus. Mas podes libertá-lo e a ti mesmo também.

 

O perdão verdadeiramente dado é o caminho no qual se encontra a tua única esperança de liberdade. Os outros cometerão erros e tu também enquanto essa ilusão de um mundo parecer ser a sua casa. No entanto, o próprio Deus deu a todos os Seus Filhos um remédio para todas as ilusões que eles pensam ver. A visão de Cristo não usa os teus olhos, mas podes olhar através dos Seus, e aprender a ver como Ele.

 

Equívocos são sombras diminutas que passam rapidamente, e por um instante apenas pareciam esconder a face de Cristo que ainda permanece imutável atrás de todos eles. A Sua constância permanece em silêncio tranqüilo e em perfeita paz. Ele não sabe das sombras. São Seus olhos que olham através do erro para o Cristo em ti.

 

Pede, então, a Sua ajuda e pergunta a Ele como aprender a perdoar assim como a Sua visão permite que seja o perdão. Tu tens necessidade do que Ele dá, e a tua salvação se baseia em aprender isso co Ele. A oração não pode ser liberada pata o Céu enquanto o perdão para destruir estiver contigo. A misericórdia de Deus quer remover esse pensamento desmoralizante e envenenado da tua mente santa. Cristo te perdoou e na Sua visão o mundo veio a ser tão santo quanto Ele mesmo.

 

Quem não vê nenhum mal no mundo vê como Ele.

 

Pois o que Ele perdoou não cometeu nenhum pecado e a culpa não pode mais existir. O plano da salvação se completa e a sanidade veio afinal.

O perdão é o chamado para a sanidade, pois quem senão os insanos preferem olhar para o pecado quando poderiam ver a face de Cristo em lugar disso?

Essa é a escolha que fazes, a mais simples, e apesar disso a única que podes fazer.

 

Deus te chama para salvar o Seu Filho da morte oferecendo-lhe o amor de Cristo. Essa é a tua necessidade e Deus oferece essa dádiva a ti. Assim como Ele que dar, assim também tu tens que dar.

 

E assim, a oração retorna ao que é, sem forma, e vai além de todos os limites à intemporalidade, sem nada do passado para atrasá-la impedindo-a de reunificar-se com a canção infindável que toda a criação canta para o seu Deus.

 

Mas, para atingir esse objetivo precisas primeiro aprender, antes de poderes alcançar o lugar onde o aprendizado não pode ir. O perdão é a chave, mas quem pode usar uma chave quando perdeu a porta para qual a chave foi feita, e o único lugar onde ela poderia servir?

Portanto, fazemos distinções, de modo que a oração possa ser liberada da escuridão para a luz.

 

O papel do perdão tem que ser revertido e limpo das utilizações más e das metas odiosas. O perdão para destruir tem que ser desvendado em toda a sua traição, e então abandonado para todo o sempre. Não pode restar qualquer traço dele, se é que o plano de Deus estabeleceu para o retorno vai ser realizado finalmente e o aprendizado completado.

 

Esse é o mundo dos opostos. E tu tens que escolher entre eles a todos os instantes enquanto esse mundo retiver realidade para ti. No entanto, tens que aprender alternativas para a escolha, ou não serás capaz de atingir a tua liberdade. Deixa que fique claro para ti, e aprende o que ele deve ser para libertar-te. O nível da tua oração depende disso, pois aqui ela espera a liberdade para se erguer acima do mundo do caos e entrar em paz.

 

II – Perdoar-para-Destruir.

 

O perdão para destruir tem muitas formas, sendo uma arma do mundo da forma. Nem todas são óbvias e algumas são cuidadosamente escondidas embaixo do que parece ser caridade. No entanto, todas as formas em que ele pode parecer tomar têm apenas essa meta simples: seu propósito é separar e tornar aquilo que Deus criou igual, diferente. A diferença está clara em muitas formas nas quais a comparação que deve ser feita não pode passar despercebida, nem realmente se pretende que passe.

 

Nesse grupo, em primeiro lugar, estão as formas nas quais uma pessoa ‘melhor’ se digna a rebaixar-se para salvar uma ‘mais baixa’ daquilo que verdadeiramente é. O perdão aqui se baseia numa atitude de graciosa aristocracia tão distante do amor que a arrogância nunca poderia ser desalojada. Quem pode perdoar e, contudo desprezar? E quem pode dizer a um outro que ele está mergulhado no pecado e ainda assim percebê-lo como Filho de Deus? Quem faz de alguém um escravo para ensinar-lhe a liberdade?

Não há união aqui, apenas tristeza. Não realmente misericórdia. Isso é morte.

 

Uma outra forma, ainda muito parecida com a primeira se for compreendida, não aparece em tão ruidosa arrogância.

Aquele que quer perdoar o outro não clama por ser melhor. Agora ele diz, em vez disso, que aqui há alguém cujo pecado ele compartilha, já que ambos foram indignos e merecem a punição da ira de Deus. Isso pode parecer um pensamento humilde e pode, de fato, induzir a uma rivalidade no pecado e na culpa. Não é amor pela criação de Deus e a santidade que é a Sua dádiva para sempre. È possível que o Seu Filho condene a si mesmo e ainda se lembre Dele?

 

Aqui a meta é separar de Deus o Filho que Ele ama e mantê-lo longe da sua Fonte. Essa meta também é buscada por aqueles que buscam o martírio nas mãos de um outro. Aqui é preciso que a finalidade seja vista claramente, pois isso pode passar por mansidão e caridade em vez de crueldade. Não é benigno aceitar o desprezo do outro e não responder a não ser com silêncio e um sorriso gentil? Olha para isso, como és bom, tu que carregas com paciência e um ar de santo a raiva e a ferida que um outro te faz, e não mostras a dor amarga que sentes.

 

O perdão para destruir se esconde freqüentemente atrás de um manto como esse. Ele mostra a face do sofrimento e da dor, como prova silenciosa da culpa e da devastação do pecado. Tal é a testemunha que ele oferece àquele que poderia ser um salvador, não um inimigo. Mas tendo sido feito inimigo, ele tem que aceitar a culpa e a reprovação profundamente inculcada que assim é posta sobre ele. Isso é amor? Ou é mais uma traição para com alguém que precisa ser salvo da dor da culpa?

 

O que poderia ser o propósito disso, exceto manter as testemunhas da culpa longe do amor?

O perdão para destruir também pode tomar a forma de barganha e concessão.

 

Eu te perdoarei se satisfizeres as minhas necessidades, pois a tua escravidão está a minha liberação.

 

Dizes isso a qualquer um e serás escravo. E buscarás livrar-te da culpa em mais barganhas que não podem dar-te nenhuma esperança, mas apenas maior dor e miséria. Como o perdão agora veio a ser amedrontador, e como está distorcido o fim que ele busca. Tem piedade de ti mesmo que barganhas desta forma. Deus dá e não pede recompensa. Não nenhuma dádiva a não ser dar como Ele. Todo o resto é zombaria. Pois quem poderia fazer barganha com o filho de Deus, e agradecer o seu Pai pela sua santidade?

 

O que queres mostrar a teu irmão? Tentarias reforçar a sua culpa e assim a tua própria? O perdão é o meio para escapares. Como é digno de pena fazer dele o meio para maior escravidão e dor. Dentro do mundo dos opostos há um modo de usares o perdão para a meta de Deus e encontrares a paz que Ele te oferece. Não queiras apoderar de nada, além disso, ou terás buscado a tua morte e orado pela separação do teu Ser. Cristo é para todos porque Ele está em todos. É a Sua face que o perdão permite que vejas. É a Sua face na qual vês a tua própria.

 

Todas as formas que o perdão toma que não levem para longe da raiva, da condenação e de qualquer tipo de comparação são morte.

 

Pois isso é o que os seus propósitos determinaram. Não te enganes com eles, mas deixa-os de lado julgando as suas trágicas ofertas como algo sem valor. Tu não queres permanecer na escravidão. Tu não queres ter medo de Deus. Queres ver a luz do sol e o brilho do Céu cintilando sobre a face da terra redimida do pecado no Amor de Deus.

 

A partir daqui a oração é liberada, junto contigo. As tuas asas estão livres e a oração erguer-te-á e trazer-te-á para a casa onde Deus quer que estejas.

 

 

III – Perdoar-para-Salvar

 

O perdão para a salvação tem uma forma e só uma. Ele não pede provas de inocência, nem pagamento de qualquer tipo. Ele não argumenta, nem avalia os erros que quer ignorar. Ele não oferece dádivas traiçoeiras, nem promete liberdade enquanto pede a morte.

Acaso Deus te enganaria?

 

Ele apenas pede confiança e disposição para aprenderes como ser livre. Ele dá ao Seu professor para quem pedir e buscar compreender a Vontade de Deus. A Sua prontidão para dar está muito além da tua compreensão ou da tua simples apreensão. Contudo é Sua Vontade que aprendas o caminho para Ele e na realização da Sua Vontade há certeza.

 

Tu, criança de Deus, as dádivas de Deus são tuas, não segundo teus planos, mas pela Sua Vontade santa.

A Sua Voz vai ensinar-te o que é o perdão e como perdoar assim como Ele quer que seja. Não busques, portanto, compreender o que ainda está além de ti, mas deixa que ele seja o caminho para erguer-te até o lugar onde os olhos de Cristo passam a ser a vista que escolhes.

 

Desiste de todo o resto, pois não há nada mais. Quando alguém pede qualquer ajuda que seja, Ele é aquele que responde por ti. Tudo o que precisas fazer é dar um passo para trás e não interferir. Perdoar para salvar é a Sua tarefa e é Ele que responderá por ti.

 

Não estabeleças qual deve ser a forma que o perdão de Cristo deve tomar. Ele sabe como fazer de qualquer pedido um auxílio para ti, enquanto te ergues apressadamente para ir afinal para a casa do teu Pai. Agora Ele pode fazer com que os teus passos tenham segurança e que tuas palavras sejam sinceras, não com tua própria sinceridade, mas com a Sua.

 

Deixa que Ele esteja a cargo de como deverás perdoar e cada ocasião será, então, para ti um outro degrau para o Céu e para a paz.

 

Não estás cansado da prisão? Deus não escolheu essa triste estrada para ti. O que escolheste ainda pode ser desfeito, pois a oração é misericordiosa e Deus é justo. A Sua é uma justiça que Ele pode compreender, mas tu por enquanto ainda não podes. Mesmo assim Ele te dará os meios para aprenderes com Ele, e teres afinal o conhecimento de que a condenação não é real e constrói ilusões em nome do mal. Contudo, ainda assim não importa a forma que os sonhos possam parecer tomar.

 

As ilusões não são verdadeiras. A vontade de Deus é verdade, e tu és um com Ele em Vontade e propósito. Aqui todos os sonhos são desfeitos.

 

“O que devo eu fazer por ele, o Teu Filho santo?”.

 

Deve ser a única coisa que tu jamais perguntes quando a ajuda se faz necessária e se está em busca do perdão. A forma que a busca toma, tu não precisas julgar. E não deixe que sejas tu aquele que determina a forma na qual o perdão vem para salvar o Filho de Deus. A luz de Cristo nele é a sua liberação, e é isso que responde ao seu chamado. Perdoa-lhe assim como Cristo decide que deves, e que sejam Seus olhos através dos quais olhas para ele e também falas Poe Ele. Ele conhece a necessidade, a pergunta e a resposta. Ele te dirá exatamente o que fazer em palavras que podes compreender e podes também usar. Não confundas a Sua função com a tua. Ele é a Resposta. Tu, aquele que ouve.

 

E de que é que Ele te fala?

De salvação e da dádiva da paz. Do fim do pecado, da culpa e da morte. Do papel que o perdão desempenha Nele. Tu apenas escutas. Pois Ele será ouvido por qualquer um que chame pelo Seu Nome e coloque o próprio perdão em Suas mãos.

O perdão Lhe foi dado para que Ele o ensine, para que o salve da destruição, e para fazer com que o meio da separação, do pecado e da morte venha a ser outra vez a dádiva santa de Deus.

 

A oração é a Sua Mão direita, que é liberada da salvar à medida que se permite que o verdadeiro perdão venha a Sua vigilância eterna e do Seu Amor.

 

Escuta e aprende, mas não julgues.

 

È para Deus que te voltas para ouvir o que deves fazer. A sua resposta será tão clara quanto a manhã, e também o Seu perdão não é o que pensas hoje.

 

Ele ainda sabe, e isso deve ser suficiente.

O Perdão tem um Professor que não falhará em nada.

Descansa um pouco nisso, não tentes julgar o perdão, nem colocá-lo numa moldura terrena. Deixa que ele se erga até Cristo, que dá boas vindas a ele como uma dádiva que Lhe é feita. Ele não te deixará sem consolo, nem falhará em mandar os Seus anjos descerem para responder-te em Seu próprio Nome. Ele está ao lado da porta para qual o perdão é a única chave.

 

É preciso que a dês a Ele para que Ele a use em teu lugar, e verás a porta deslizar abrindo-se silenciosamente sobre a resplandecente face de Cristo.

 

Contempla o teu irmão que lá está, além da porta: o Filho de Deus tal qual Ele o criou.

 

 

CURA

 

Introdução


A Oração tem ferramentas e testemunhas que fazem com que a subida íngreme seja mais gentil e mais segura, diminuindo a dor do medo e oferecendo o conforto e as promessas da esperança.

A cura é a testemunha do perdão e uma ferramenta  da oração, ela te dá a garantia do sucesso na consecução final da tua meta. A sua importância não deve ser enfatizada demasiadamente, pois a cura é um sinal ou um símbolo da força do perdão, e apenas um efeito ou sombra da mudança da mente sobre a meta da oração.

 

I - A Causa da Doença


Não tomes equivocadamente o efeito pela causa, nem penses que a doença está à parte ou separada do que é a sua causa. È um sinal, uma sombra e um pensamento mau que parece ter realidade e ser justo, segundo os costumes do mundo.

 

É uma prova externa dos ‘pecados’ internos e dá testemunho de pensamentos incapazes de perdoar que ferem e magoam o Filho de Deus. Curar o corpo é impossível, e isso é demonstrado pela natureza breve da ‘cura’. O corpo ainda tem que  morrer, e assim a sua cura apenas atrasa a sua volta ao pó, onde ele nasceu e ao qual vai retornar.

 

A causa do corpo é não perdoar o Filho de Deus. Ele não deixou a sua fonte, e isso é claramente demonstrado na sua dor, no seu envelhecimento e na marca da morte que está sobre ele. Amedrontado e frágil ele parece para aqueles que pensam que a sua vida está presa ao seu comando e atada ao seu sopro diminuto e instável.

 

A morte os encara à medida que cada momento passa irrevogável, além de suas garras, que não podem fazê-los parar. E sentem medo à medida que seus corpos mudam e adoecem. Sentem o cheiro pesado da morte sobre seus corações.

 

O corpo pode ser curado como um efeito do verdadeiro perdão. Só isso pode dar a lembrança da imortalidade, que é a dádiva da santidade e do amor. O perdão tem que ser dado por uma mente que compreenda que ela tem que ignorar todas as sombras sobre a face santa de Cristo, entre as quais a doença deve ser vista apenas como mais uma.

 

Nada além disso: o sinal de um julgamento do Filho de Deus por ele mesmo. Pois ele amaldiçoou o seu corpo como sua prisão, e esqueceu que foi ele que lhe deu esse papel.

O que ele fez, agora o Filho de Deus tem que desfazer.  Mas não sozinho. Pois ele jogou fora a chave da prisão: a sua impecabilidade santa e a lembrança do Amor do seu Pai.

 

No entanto, recebe ajuda na Voz que seu Pai colocou nele. O poder de curar é agora a dádiva de seu Pai, pois através da Sua Voz Ele ainda pode alcançar Seu Filho, lembrando-lhe que o corpo pode passar a ser a casa escolhida por ele, mas nunca será a sua casa na verdade.

 

Assim sendo, distinções têm que ser feitas entre a verdadeira cura e a sua contrapartida defeituosa. O mundo dos opostos é o lugar da cura, pois o que poderia haver no Céu para se curar? Assim como a oração dentro desse mundo pode pedir coisas equivocadas, e a caridade aparente pode perdoar para matar, assim também a cura poder ser tão falsa quanto a verdadeira, uma testemunha do poder do mundo ou do Amor eterno de Deus.

 

 

II – Cura Falsa versus Cura Verdadeira

 

A cura falsa meramente faz a pobre troca de uma ilusão por outra ‘melhor’, um sonho de doença por um sonho de saúde.

Isso pode ocorrer nas formas mais baixas da oração, combinada com perdão bem intencionado, mas ainda não compreendido completamente. Só a cura falsa pode dar lugar ao medo de modo que a doença estará livre para atacar outra vez. A cura falsa, de fato, pode remover uma forma de dor e doença.

 

Mas a causa permanece e não deixará de ter efeitos. A causa ainda é o desejo de morrer e vencer o Cristo. E com esse desejo a morte é uma certeza, pois a oração é respondida. Mas existe um tipo de morte aparente que tem uma fonte diferente.

 

Ela não vem devido a pensamentos que magoam e uma raiva furiosa contra o universo. Meramente significa que chegou o fim da utilidade do corpo. E assim ele é descartado como uma escolha, do mesmo modo como alguém joga fora uma roupa que já não usa mais.

 

Isso é o que a morte deveria ser: uma escolha quieta feita com alegria e com uma sensação de paz porque o corpo foi usado de forma benigna para ajudar o Filho de Deus ao longo do caminho que ele segue para Deus. Nós, então, agradecemos ao corpo por todo o serviço que ele nos prestou. Mas, estamos também agradecidos, pois, terminou a necessidade caminharmos no mundo dos limites, e de tentarmos alcançar o Cristo em formas escondidas, visível no máximo em belos vislumbres.

 

Agora podemos olhar para Ele sem antolhos, na luz que aprendemos a contemplar outra vez.

Chamamos a isso morte, mas é liberdade. Ela não vem em formas que parecem ser impostas na dor sobre a carne que não a quer, mas como um sinal de boas vindas que é dado com gentileza à liberação. Se houve cura verdadeira, essa pode ser a forma na qual a morte vem, quando chega o momento de descansar por algum tempo pelo trabalho feito e terminado com contentamento.

 

Agora vamos em paz para ares mais livres e um clima mais gentil, onde não é difícil ver que as dádivas que demos forma guardadas para nós e a Sua Voz, a Palavra de Deus, é a nossa com mais certeza.

 

Essa passagem gentil para uma oração mais elevada, um pedão benigno dos caminhos da terra, só pode ser recebida com gratidão. Contudo, antes disso a cura verdadeira tem que ter vindo abençoar a mente com o perdão amoroso dos pecados que ela sonhou e depositou sobre o mundo. Agora os seus sonhos são desfeitos na quietude do descanso. Agora o seu perdão vem curar o mundo e ela está pronta para partir em paz, tendo terminado a jornada e aprendido as lições.

 

Isso não é morte segundo o mundo, pois a morte é cruel através dos olhos apavorados e toma a forma de punição pelo pecado. Como poderia ser recebida com boas vindas, se não pode deixar de ser temida? Que cura pode ter ocorrido nessa visão de algo que é meramente o abrir do portão para uma oração mais elevada e uma justiça feita com benignidade?

 

A morte é prêmio e não uma punição. Mas tal ponto de vista tem que ser trazido por uma cura que o mundo não pode conceber. Não há cura parcial. O que apenas troca de ilusões não fez nada. O que é falso não pode ser parcialmente verdadeiro. Se estás curado, a tua cura é completa. O perdão é a única dádiva que dás e queres receber.

 

A cura falsa baseia na cura do corpo, deixando a causa da enfermidade ainda sem qualquer mudança, pronta pata atacar outra vez até trazer a morte cruel em aparente vitória. Ela pode ser mantida em xeque por algum tempo, e podem existir períodos de breve descanso enquanto ela espera para cobrar a sua vingança do Filho de Deus. Contudo, não pode ser vencida até que toda a fé depositada nela tenha sido retirada e colocada no substituto de Deus para sonhos maus: um mundo no qual o véu do pecado não está presente para mantê-lo escuro e sem consolo.

 

Finalmente o portão do Céu se abre e o Filho de Deus está livre para entrar na casa que está pronta para dar-lhe as boas vindas, que foi preparada para ele antes que o tempo existisse e ainda espera apenas por ele.

 

III – Separação versus União


A cura falsa cura o corpo em parte, mas nunca como um todo. As suas metas separadas ficam bem claras nisso, pois não removeu a praga do pecado que se encontra nele. Portanto, ainda engana.

E Também não é realizada por alguém que compreende que o outro é exatamente igual a ele mesmo. Pois é isso que faz com que a cura verdadeira seja possível.

 

Quando é falsa, há algum poder que o outro possui que não foi igualmente concedido a ambos como um só. Aqui a separação se mostra. E aqui o significado da cura verdadeiro foi perdido e ídolos surgiram para obscurecer a unidade que é o Filho de Deus.

 

Curar para separar pode parecer uma idéia estranha. Contudo, pode ser aplicada a qualquer tipo de desigualdade. Essas formas podem curar o corpo e são, de fato, geralmente limitadas a isso. Alguém sabe mais, foi mais treinado, ou talvez seja mais talentoso e sábio. Assim sendo, pode propiciar a cura de alguém que está abaixo dele e merece a sua condescendência. A cura do corpo pode vir através disso porque em sonhos a igualdade não pode ser permanente. O sonho é feito de troca e mudanças.

 

Ser curado parece significar encontrar uma pessoa mais sabia que, por sua arte e aprendizado terá sucesso.

Algum outro sabe mais: essa é a frase mágica da qual o corpo parece ser objetivo da cura tal como o mundo a concebe. E a esse mais sábio um outro vai consultar para tirar proveito do seu aprendizado e da sua maestria, para encontrar nele um remédio para a dor. Como isso pode ser assim?

A cura verdadeira não pode vir da desigualdade assumida e depois aceita como verdade, usada para ajudar a restaurar os feridos e acalmar a mente que sofre da agonia da dúvida.

 

Nesse caso, existe um papel na cura que alguém possa desempenhar para oferecer ajuda a um outro?

Em arrogância a resposta tem que ser ‘não’.

Mas em humildade, de fato, há lugar para ajudantes. O seu papel é igual ao papel que ajuda na oração, e deixa que o perdão seja o que deve ser. Tu não fazes de ti mesmo o portador da dádiva especial que traz a cura.

 

Apenas reconhece a tua unicidade com aquele que pede ajuda. Pois nessa unicidade o seu senso de estar separado é desfeito, e é isso que o faz doente. Não há sentido em dar um remédio à parte do lugar onde está a fonte da doença, pois assim ela jamais pode ser verdadeiramente curada.

 

Curadores existem, pois são os Filhos de Deus que reconheceram a sua Fonte e compreenderam que tudo o que a sua Fonte cria é um com eles. Esse é o remédio que traz um alívio que não pode falhar. Ele permanecerá para abençoar por toda eternidade. Ele não cura em parte, mas integralmente e para sempre. Agora a causa de todas as enfermidades foi revelada exatamente como é. E nesse lugar agora está escrita a Palavra santa de Deus.

 

A doença e a separação têm que ser curadas pelo amor e pela união. Nada mais pode curar assim como Deus determinou que fosse a cura. Sem Ele não há cura, pois não há amor.

 

Só a Voz de Deus pode te dizer como curar. Escuta, e nunca falhará em trazer o Seu remédio gentil àqueles que Ele te envia a ti, para permitir que Ele os cure e para abençoar todos aqueles que servem com Ele em nome da cura. A cura do corpo ocorrerá porque a causa se foi. E como agora não há mais causa, ela não pode vir de novo em uma forma diferente, E a morte também não será mais temida porque foi compreendida.

 

Não há medo naquele que foi verdadeiramente curado, pois o amor agora entrou onde ídolos costumavam estar e, finalmente o medo deu lugar a Deus.


IV – A Santidade da Cura


Como são santos aqueles que foram curados! Pois, em sua visão, seus irmãos compartilham a sua cura e o seu amor.

Portadores da paz – a voz do Espírito Santo, através da qual Ele fala por Deus, Cuja Voz Ele é – tais são os curadores de Deus. Eles falam por Ele e nunca por si mesmos. Não têm nenhuma dádiva a não ser aquelas que vêm de Deus.

 

E Essas eles compartilham porque sabem que isso é a Sua Vontade. Eles não são especiais. Eles são santos. Escolheram a santidade e desistiram de todos os sonhos separados feitos de atributos especiais através dos quais podem conceder dádivas desiguais aos menos afortunados.

A sua cura restaurou a sua santidade de modo que podem perdoar e se unir à canção da oração na qual os curados cantam a sua união e os seus agradecimentos a Deus.

 

Como testemunha do perdão, auxiliar da oração e efeito da misericórdia verdadeiramente ensinada, a cura é benção. E o mundo responde Rapidamente em coro através da voz da oração.

O perdão ilumina com seu alívio misericordioso cada folha de grama, cada asa feita de penas, e todas as coisas vivas sobre a terra. O medo não tem nenhum porto aqui, pois o amor veio com toda sua unicidade santa.

 

O tempo só permanece para deixar que o ultimo abraço da oração descanse sobre a terra um instante mais à medida que o mundo desaparece na luz. Esse instante é a meta de todos os curadores verdadeiros, àqueles a quem Cristo ensinou a ver a Sua semelhança e a ensinar como Ele.

 

Pensa no que significa ajudar a curar o Cristo! O que pode ser  mais santo do que isso?

 

Deus agradece aos Seus curadores, pois Ele sabe que a Causa da cura é Ele mesmo, Seu Amor, Seu Filho, restaurado como Sua completeza, que está de volta para compartilhar com Ele a alegria santa da criação.

 

Não peças uma cura parcial, nem aceites um ídolo em lugar da lembrança Daquele Cujo Amor nunca mudou e nunca mudará. Tu és precioso para Ele quanto toda a Sua criação, pois ela está em ti como Sua dádiva eterna.

 

Que necessidade podes ter de sonhos mutantes em um mundo triste? Não esqueças a gratidão de Deus. Não esqueças da graça santa da oração. Não esqueças do perdão do Filho de Deus.

 

Tu primeiro perdoas, depois oras, e estás curado.

A tua oração se ergueu e chamou por Deus, Que ouve e responde. Tu compreendeste que só perdoas a ti mesmo, e só oras por ti mesmo. E nessa compreensão estás curado. Na oração tu te uniste aa tua Fonte, e compreendeste que nunca partiste. Esse nível não pode ser atingido até que não haja mais nenhum ódio no teu coração, e nenhum desejo de atacar o Filho de Deus.

 

Nunca esqueças disso: tu és o Filho de Deus e assim como escolhes ser para ele assim és para ti mesmo e Deus para ti.

 

O teu julgamento também não falhará em chegar a Deus, pois darás a Ele o papel que vês na Sua criação. Não escolhas equivocadamente, ou pensarás que tu és o criador em Seu lugar e Ele, então, já não é mais a causa, apenas um efeito. Agora a cura é impossível, pois Ele é acusado pela decepção e pela tua culpa. Ele, que é Amor, passa a ser a fonte do medo, pois só o medo pode ser agora justificado.

 

A vingança é Sua. A morte é o Seu grande destruidor. E a doença, o sofrimento e a perda amarga passam a ser o que é devido a todos sobre a terra, áqueles a quem Ele abandonou aos cuidados do diabo, jurando que nunca mais os libertaria.

 

Vêm a Mim, Minhas crianças, mais uma vez, sem tais pensamentos distorcidos sobre os vossos corações.

Ainda sois santos com a Santidade que vos deu à luz em impecabilidade perfeita, e ainda vos cerca com os braços da paz.

 

Sonhai agora com a cura. Depois levantai-vos e deixai todos os sonhos de lado para sempre.

 

Tu és aquele que o teu Pai ama, que nunca deixou a sua casa, nem vagou em um mundo selvagem com os pés sangrando e o coração pesado, endurecido contra o Amor que é a verdade em ti.

 

Entrega todos os teus sonhos a Cristo e deixa-O ser teu guia para a cura, conduzindo-te em oração para além dos tristes alcances do mundo.

 

Ele vem por Mim e é a Minha palavra que Ele  te diz.

Eu quero chamar o Meu Filho cansado de volta para Mim liberando-o dos sonhos feitos de malícia para o doce abraço do Amor eterno e da paz perfeita.

 

Meus braços estão abertos para o Filho que amo, e que  não compreende que ele está curado, e que suas orações nunca deixaram de cantar a sua alegre gratidão em união com toda a criação, na santidade do Amor

 

Fica quieto um instante. Por baixo dos sons estridentes e amargos da batalha e da derrota existe uma Voz Que te fala de Mim.

 

Ouve Isso por um instante e terás sido salvo.

 

Ajuda-Me a despertar as Minhas crianças do sonho da punição e de uma vida pequena concebida com medo, que termina tão rápido que seria a mesma coisa se nunca tivesse existido.

 

Em vez disso, deixa-Me lembrar-te da eternidade na qual a tua alegria cresce mais e mais à medida que o teu amor se estende junto com o Meu além do infinito, onde o tempo e a distância não tem significado.

 

Enquanto esperas em sofrimento a melodia do Céu está incompleta porque a tua canção é parte da harmonia eterna do Amor.

 

Sem ti a criação não é plena.

 

Volta para Mim Que nunca deixei Meu Filho.

 

Ouve, Minha Criança, o teu Pai chama por ti.

Não te recuses a ouvir o chamado do Amor.

 

Não negues a Cristo o que Lhe é próprio.

 

O Céu é aqui e o Céu é a tu casa.

 

A criação se inclina através das barras do tempo para erguer a carga pesada que o mundo carrega. Levantai os vossos corações para saudar o seu advento.

 

 

Vede as sombras desaparecerem em gentilezas, os espinhos que caem suavemente da fronte sangrenta daquele que é Filho santo de Deus.

 

Como tu és bela, Criança da Santidade!

Como és parecida comigo!

 

Com que amor Eu te guardo no Meu coração e nos Meus braços.

Como é preciosa cada dádiva que tu Me deste, tu que curaste Meu Filho triste-O da cruz.

 

Levanta-te e deixa Meus agradecimentos te sejam dados. E com a Minha gratidão virá em primeiro lugar a dádiva do perdão, e depois a paz eterna.

 

Devolve, então, agora a tua voz santa para Mim.

A tua canção da oração é silenciosa sem ti.

O universo está esperando a tua liberação porque é a sua própria.

 

Sê benigno para com ele e para contigo, e depois sê benigno para Comigo.

 

Eu peço apenas isso:

 

Que tu sejas consolado e não vivas mais no terror e na dor. Não abandones o Amor.

 

Lembra-te disso:

 

Seja o que for que penses de ti mesmo, seja o que for que penses do mundo   

 

“ o teu Pai precisa de ti e te chamará até que finalmente venhas a Ele em paz.

 

FIM